Quais são e quanto custam os caminhões mais caros de cada marca no Brasil?

Segundo a Tabela FIPE, valores partem de R$ 758 mil e ultrapassam R$ 1.2 milhão; caminhões médios, pesados e extrapesados estão entre os destaques

Google News
Se você acompanha com atenção e frequência o mercado brasileiro de caminhões zero quilômetro, você notou que nos últimos dois anos, os preços dispararam de forma expressiva e impressionante. Fatores como a crescente demanda de clientes por modelos zero quilômetro, falta de insumos (especialmente componentes eletrônicos), aumento no preço de matérias-primas (principalmente aço), interrupções na produção e instabilidade econômica, justificam as sucessivas altas.

Diante deste cenário, quais são e quanto custam os caminhões mais caros de cada marca atualmente no Brasil? Pensando nisso, consultamos a Tabela FIPE nesta terça-feira, 31 de maio e apresentamos agora uma relação completa dos modelos zero quilômetro mais baratos mais caros das principais marcas que atuam no mercado brasileiro. Conheça em detalhes cada modelo e confira o respectivo valor*:


DAF - XF FTT 530 6x4 Super Space Cab - R$ 812.656,00

DAF/Divulgação
Principal destaque da marca no segmento de extrapesados, o DAF XF FTT 530 6x4 Super Space Cab também é atualmente o caminhão mais caro produzido e comercializado pela DAF no Brasil. 

Apresentado ao mercado brasileiro em setembro, o gigante chegou ao país trazendo uma série de novidades que vão muito além das mudanças de design. Além da cabine Super Space Cab, a maior da categoria, o XF 530 6x4 também conta com o novo motor PACCAR MX13, de 12,9 litros, 530 cv e 2.600 Nm de torque, combinado com a nova transmissão automatizada ZF TraXon com 12 velocidades.

Em relação ao quesito tecnologia, o modelo conta com Assistente de Performance do Condutor, Controle de Cruzeiro Preditivo e Adaptativo, sensores de pressão dos pneus e monitor de nível de energia da bateria, Sistema de Frenagem de Emergência Avançada, Controle de Estabilidade do Veículo e Sistema de Aviso de Saída da Faixa.



IVECO - STRALIS HI-WAY 800-S56TZ 6x4 - R$ 758.388,00

IVECO/Divulgação
Por se tratar de um modelo topo de linha, o IVECO HI-WAY 800-S56TZ 6x4 também carrega consigo o título de caminhão mais caro produzido e comercializado pela IVECO no Brasil atualmente.

Para garantir o pleno atendimento as operações com até 74 toneladas de PBTC (Peso Bruto Total Combinado) o IVECO HI-WAY 560 6x4 conta com motor FPT Cursor 13 de 560 cv de potência e torque de 2.500 Nm, combinado com  transmissão automatizada ZF de 16 velocidades e eixos traseiros Meritor.

Ao longo dos últimos anos, assim como os demais modelos que compõem a linha Hi-Way, a versão de 560 cavalos também passou por uma série de melhorias, afim de garantir uma redução de até 10% no consumo de combustível. Destaque para mudanças na turbina, coletor de escape, volante do motor e aumento da eficiência do sistema de arrefecimento, além da calibração geral de motor e caixa. Segundo a montadora italiana, essas melhorias garantem retomadas mais eficientes e resultam em menor tempo médio de viagem e maior produtividade. E para otimizar ainda mais os custos operacionais em todas as condições de uso, a linha Hi-Way passou a contar com o "modo econômico", acionado por meio da tecla ECO no painel, contribuindo para um consumo de combustível mais otimizado.

Mas a posição de destaque do modelo pode estar com os dias contados por dois importantes fatores, são eles, a apresentação de uma gama de extrapesados IVECO movidos a gás, bem como a substituição da linha Hi-Way pela família S-Way, já comercializada na Europa e atualmente em testes no Brasil. 



MERCEDES-BENZ - AROCS 4851 K 8x4 - R$ 1.240.500,00

Mercedes-Benz/Divulgação
O mais recente lançamento da Mercedes-Benz no Brasil também é atualmente o caminhão mais caro comercializado pela marca no país. Trata-se do inédito MB Arocs 4851 K 8x4, um verdadeiro gigante off-road desenvolvido especialmente para os segmentos de mineração, construção civil pesada e grandes obras de infraestrutura.

Com possibilidade de ser implementado com básculas de até 24 m³, o pesado alemão conta com Peso Bruto Total (PBT) de 58 toneladas (técnico) e Capacidade Máxima de Tração (CMT) de 150 toneladas. Sob a cabine encontram-se o motor OM 460 LA de 13 litros, 510 cavalos de potência e impressionantes 2.400 Nm de torque a 1.100 rpm, e o câmbio automatizado Mercedes Powershift G 340 de 12 velocidades e com três modos de operação.

A vocação off-road é confirmada pela presença de pneus OTR vocacionados para operações fora de estrada, rodas, para-choque e faróis reforçados, suspensão otimizada, ângulos de ataque e saída maiores (25 graus) e longarinas de chassi com 9 mm de espessura. Destaca-se ainda uma infinidade de possibilidades de customização através do Centro de Customização para Clientes da Mercedes-Benz, unidade também conhecida como CTT (Custom Tailored Trucks).

Já tecnologias como freio eletrônico com ABS e ASR, função Hill Holder, freio de estacionamento eletrônico, retarder Voith R115 HV de 900 cv e sistema de iluminação de última geração se destacam como os principais atributos de segurança.



SCANIA - R 410 A 6x2 movido a gás - R$ 1.057.125,00

Scania/Divulgação
Provavelmente você deve ter pensado que o caminhão mais caro comercializado pela Scania no Brasil atualmente seria um modelo off-road ou até mesmo o poderoso exemplar rodoviário 620 S V8 6x4, mas não. De acordo com a tabela FIPE, hoje, o exemplar mais caro comercializado pela marca no país é o Scania R 410 A 6x2 movido a gás (GNV ou Biomenato).

Desenvolvidos para operações de médias e longas distâncias, o pesado Scania movido a gás conta com motor de 12,7 litros, 6 cilindros, 410 cavalos de potência e Ciclo Otto (o mesmo conceito dos automóveis), construídos para ser 100% a gás e biometano, ou usando uma mistura de ambos.

Por não se tratar de uma versão a diesel convertida, os modelo conta com garantia de fábrica e tecnologia confiável que garante um desempenho consistente e força semelhante ao caminhão a diesel. Além disso, os modelos são 20% mais silenciosos e garantem uma redução de até 15% nas emissões de CO2 quando abastecidos com GNV e de até 90% com biometano. Já a autonomia pode chegar até 550 quilômetros.

Já a segurança é garantida por cilindros construídos com materiais de uso militar e pela presença de três válvulas que liberam o gás em caso de anomalia, anulando assim o risco de explosões ou incêndios. Em total conformidade com a legislação, todos os itens contam ainda com certificação do Inmetro.



VOLKSWAGEN - VW e-Delivery 11.410 4x2 (elétrico) - R$ 801.860,00

VWCO/Divulgação
No caso da Volkswagen Caminhões e Ônibus (futuramente Volkswagen Truck & Bus), o caminhão caro vendido pela marca atualmente no Brasil não é um pesado ou extrapesado, mas sim médio. De acordo com a tabela FIPE, este modelo é o inovador VW e-Delivery 11.410 4x2 (Delivery 11), primeiro caminhão elétrico 100% desenvolvido, testado e fabricado no Brasil.

Com peso bruto total (PBT) de 10.700 kg e capacidade de carga útil de 6.320 kg, o VW-Delivery 11 se destaca pelo elevado desempenho e baixo custo de manutenção e operacional. Prova disso é a presença de um motor elétrico de 300 kw, o equivalente a 408 cv e impressionantes 2.150 Nm de torque desde a rotação zero. 

O baixo custo é assegurado justamente por se tratar de um exemplar elétrico, o que dispensa o uso de óleo diesel, bem como uma série de componentes e fluídos existentes em caminhões tradicionais.

Atualmente, o VW e-Delivery 11 é ofertado com duas opções de packs de bateria, a primeira com três packs e que garante uma autonomia de 110 km e a segunda com seis packs, ampliando a autonomia para até 250 km.



VOLVO - FMX 540 8x4 - R$ 1.028.125,00

Volvo/Divulgação
Ao contrário do que se imagina, o caminhão mais caro vendido pela Volvo no Brasil atualmente, não é o campeão de vendas FH 540. Esse posto é ocupado pelo Volvo FMX 540 8x4, gigante off-road desenvolvido especialmente para atender os segmentos de mineração, construção pesada e demais aplicações fora de estrada.

Com a chegada da nova geração de caminhões Volvo ao Brasil em 2021, o pesado off-road passou a contar com a inédita versão FMX MAX, com 58 toneladas de Peso Bruto Total (PBT), 225 toneladas de Capacidade Máxima de Tração (CMT) e desenvolvida exclusivamente para operações com implementos basculantes.

A robustez do gigante sueco é assegurada por novos eixos traseiros desenvolvidos em parceria com a Volvo Construction Equipment, suspensão dianteira e traseira totalmente reformulada, chassi duplo integral standard, rodas ainda mais reforçadas e freios de serviço 8% mais eficientes, além de EBS e retarder de série. 

Além da cabine totalmente redesenhada, tanto na parte interna, como na parte externa, o Volvo FMX 540 8x4 também se destaca pela elevada tecnologia embarcada. Destaque para cinco diferentes modos de condução (Econômico, Performance, Standard, Off Road e HD - Heavy Duty), painel de instrumentos 100% digital e configurável de 12 polegadas e opcionais como central multimídia touchscreen de 9 polegadas com sistema de GPS, rádio, espelhamento de celulares, entre outros recursos, além do novo volante multifuncional.



*Observações:
1- Tabela Fipe consultada no dia 31 de maio de 2022;

2- A Tabela Fipe expressa preços médios de veículos anunciados pelos vendedores;

3- Os preços efetivamente praticados variam em função da região, conservação, cor, acessórios ou qualquer outro fator que possa influenciar as condições de oferta e procura por um veículo específico.

Sua opinião
Agora é com você: Na sua opinião, os preços informados acima são justos para cada um do exemplares citados, considerando o que cada um oferece? Se não, qual seria o valor ideal para cada um deles? Responda nos comentários abaixo:


Postar um comentário

0 Comentários