O último bicudo do Brasil: Mercedes-Benz encerra a produção do Atron 1635

Mercedes-Benz/Divulgação
Chegou ao fim este mês, a consagrada e icônica história dos caminhões bicudos no mercado brasileiro. No último dia 15 de junho, a Mercedes-Benz encerrou de fato a produção do cavalo-mecânico Atron 1635. 

O fim da linha para o único modelo bicudo que ainda era produzido e comercializado no país já estava previsto nos planos da montadora alemã ao longo dos últimos anos. Durante o 22ª Salão Internacional do Transporte Rodoviário de Carga (Fenatran 2019), Roberto Leoncini, vice-presidente de vendas e marketing da Mercedes-Benz, já havia confirmado ao Portal Caminhões e Carretas a proximidade do encerramento da produção dos cavalos mecânicos Atron.


De acordo com executivo, a decisão se faz necessária por se tratar de um produto que não possibilita mais a introdução de novas tecnologias. "Não é um produto ruim, mas é um produto antigo e que não consegue receber certas tecnologias".

Equipado com motor Mercedes-Benz OM 457 de 12 litros, potência de 345 cv e 1.450 Nm de torque, transmissão manual ZF 16S-1650, freio-motor Top Brake e indicado para operações rodoviárias de curtas e médias distâncias, o Mercedes-Benz Atron 1635 foi reconhecido nos últimos anos pela alta robustez e baixos custos de manutenção e operação.

Durante oito anos consecutivos, o modelo ocupou uma posição de destaque nas vendas da Mercedes-Benz no Brasil, impulsionadas especialmente por segmentos específicos do transporte rodoviário de cargas no estado de Minas Gerais. “O Atron 1635 ganhou ampla aceitação no mercado por sua versatilidade em aplicações como basculante, graneleiro, prancha carrega tudo, porta-contêiner, tanque de combustível, produtos químicos, GLP e outros”, diz Leoncini. “Em Minas Gerais, por exemplo, é o preferido dos caçambeiros, daí o expressivo volume histórico de emplacamentos no Estado.

De fevereiro de 2012 a maio de 2020, o Mercedes-Benz Atron 1635 atingiu a marca de 4.200 unidades emplacadas em todo o país. Destaque para a região Sudeste com 2.750 unidades nesse período. No ranking por estados, Minas Gerais lidera com 1.500 unidades emplacadas, seguido por São Paulo com 650 exemplares.




Os substitutos
O encerramento da produção do Atron 1635 não resultará em uma lacuna no portfólio de produtos da Mercedes-Benz no Brasil.

Como substituto ao consagrado modelo bicudo, a montadora alemã oferece aos transportadores brasileiros oos modelos Axor 2036 4x2 e 2536 6x2, equipados motor OM 457 LA de 12 litros, potência de 360 cv e 1.850 Nm de torque a 1.100 rpm, combinado com transmissão automatizada Mercedes-Benz Powershift G280 de 16 velocidades.

Quando comparados com o Atron 1635, os modelos Axor garantem 30.000 kg a mais de Capacidade Máxima de Tração (CMT), 80.000 kg no total. Além disso, graças ao terceiro eixo original de fábrica, o Axor 2536 6x2 é capaz de atender com segurança operações com configurações de semirreboques  de até 53 toneladas de peso bruto total combinado (PBTC).

Os modelos contam ainda com três opções de cabine (simples, leito teto baixou ou leito teto alto), opções de suspensão metálica ou pneumática, freio retarder, sistemas de ABS, EBD e ASR, ar condicionado, climatizador e disponibilidade de eixos traseiros com ou sem redução nos cubos.
Cardiesel
TEXTO: Lucas Duarte
Caminhões e Carretas

Postar um comentário

3 Comentários

  1. chega ao fim por vontade da montadora bastava umas atualizaçoes na cabine e na mecanica que seu sucesso seria garantido

    ResponderExcluir
  2. Tenho muitas peças deste bruto ,novas ,adquiri da Vale num leilão vendo barato

    ResponderExcluir
  3. Tenho muitas peças deste bruto novas adquiri da Vale num leilão vendo barato.

    ResponderExcluir

Nunca publique suas informações pessoais, como por exemplo, números de telefone, endereço, currículo etc. Propagandas, desrespeito ou ofensas não serão toleradas nos comentários.