Após 10 aumentos em maio; Petrobras anuncia redução de R$ 0,23 no preço do óleo diesel válida por 15 dias

Após negar qualquer tipo de mudança na Política de Preços que permite alterações diárias nos valores dos combustíveis, a Petrobras decidiu ceder a forte pressão política provocada pela greve nacional de caminhoneiros e anunciou na noite desta quarta-feira (23) uma  redução de 10% no preço do diesel nas refinarias, válida por 15 dias. 
Segundo o presidente da petroleira, Pedro Parente, a redução anunciada representa uma queda de 23 centavos no preço do litro nas refinarias e de 25 centavos para os consumidores. Entretanto, Parente destacou que a decisão sobre o diesel não abre margem para que o preço da gasolina também caia.
"É uma medida de caráter excepcional. Não representa uma mudança de política de preço da empresa", afirmou o presidente da estatal durante entrevista coletiva. "São 15 dias para que o governo converse com os caminheiros", acrescentou.
Apesar do nítido caráter político e do forte impacto causado pela greve de caminhoneiros em todo o país, o presidente da petroleira disse que a empresa não cedeu a pressões de movimentos sociais ou mesmo do governo federal. Parente classificou a medida como sendo um gesto de "boa vontade" da empresa.
Durante a coletiva desta quarta-feira (23), o presidente detalhou que durante esses 15 dias a perda estimada para a Petrobras será de cerca de R$ 350 milhões, com um impacto no caixa de R$ 100 milhões. Entretanto, uma possível  interrupção total da produção nas refinarias provocada pela paralisação nacional de caminhoneiros, faria com que a Petrobras registrasse uma perda diária de R$ 90 milhões.
Por fim o presidente da Petrobras revelou que passados os 15 dias de congelamento de preços do óleo diesel, a política de preços voltará ser colocada em prática sobre o combustível e preço seguirá variando diariamente com base nas cotações internacionais do barril de petróleo e das moedas estrangeiras. 
Apesar da decisão de curto prazo e temporária da Petrobras, entidades do transporte rodoviário de cargas a frente da paralisação nacional, afirmaram que os protestos continuam nesta quinta-feira (24) e seguem tendo como principal reivindicação a redução da alta carga tributária incidente sobre os combustíveis. 


Saiba tudo sobre a greve de caminhoneiros: CLIQUE AQUI

TEXTO: Lucas Duarte
Blog Caminhões e Carretas
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário