Facchini

Randon New R

Vendas de máquinas da linha amarela devem encerrar 2023 com queda de 21%

Escavadeira amarela vista de trás parada em um canteiro de obras com sol se pondo no fundo
Getty Images

Vendas de pás carregadeiras, escavadeiras hidráulicas e retroescavadeiras apresentaram maiores quedas; para 2024 a previsão é de retomada do crescimento

Google News
Realizado pela Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração (Sobratema), o Estudo Sobratema do Mercado Brasileiro de Equipamentos para Construção prevê uma retração no volume de máquinas da linha amarela (movimentação de terra) comercializadas em 2023. Com 31 mil unidades comercializadas neste ano, o levantamento estima uma queda de 21% em relação a 2022.


Para a Sobratema, o resultado de 2023 reflete o desafio encontrado pela empresas para obtenção de crédito, devido aos juros mais altos, a realização de menos obras de infraestrutura, o menor orçamento público para investimentos no setor da construção, e a paralisação de outros projetos.

O relatório também indica um acomodamento no mercado de máquinas, com uma disponibilidade maior da indústria para atender as demandas dos usuários de equipamentos. Com isso, houve um equilíbrio entre a oferta e a demanda, o que propiciou preços mais competitivos dos ativos. Outro ponto positivo foi a diminuição da frota parada para 19% ante 23% em 2022. Esse é o menor percentual registrado desde 2017, quando a média da frota parada estava em 50%.


As vendas de equipamentos da linha amarela foram positivas em quatro das nove categorias: caminhões fora de estrada (117%), rolos compactadores (69%), minicarregadeiras (15%) e miniescavadeiras (2%). Entretanto, as categorias com maior volume de vendas apresentaram retração: pás carregadeiras (-30%, com 6,4 mil unidades), escavadeiras hidráulicas (-41%, com 6,9 mil) e retroescavadeiras (-13%, com 8,9 mil).


Já a categoria “demais equipamentos” do Estudo da Sobratema, que engloba guindastes, compressores portáteis, manipuladores telescópicos, plataformas elevatórias e equipamentos para concreto, também prevê um diminuição de 6% nas vendas ante 2022, com 7,4 mil unidades comercializadas, contra 7,9 mil máquinas vendas no ano passado.


Em relação à comercialização de caminhões rodoviários e tratores pesados de pneus demandados na construção, a previsão é de crescimento de 7% e 5% neste ano, respectivamente, perante o ano anterior.

Somada todas as categorias, o Relatório da Sobratema estima que as vendas totais de máquinas para construção devem retrair 13% em 2023 em comparação a 2022, alcançando 52,4 mil unidades comercializadas neste ano contra 60,3 mil unidades no ano anterior.

Previsão para 2024
Para o próximo ano, a Sobratema prevê um crescimento de 7% nas vendas para o segmento de máquinas da linha amarela e de 6% para todo o setor de equipamentos para construção.



NOTÍCIA ANTERIOR PRÓXIMA NOTÍCIA