ANTT publica nova tabela de fretes com redução de até 3% nos valores

ANTT/Divulgação

Redução nos valores da tabela de frete acontece logo após a ANP confirmar uma queda no preço do óleo diesel; veja como calcular o valor do frete

Google News
A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou no Diário Oficial da União (ANTT) da última quarta-feira, 4 de janeiro, a Portaria nº 2. O documento estabelece novos valores para a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas (PNPM-TRC), conhecida popularmente como tabela de fretes.

A medida vai de encontro com o que determina o § 3º do art. 5º da Lei 13.703/2018, alterado pela Lei 14.445/2022 e que conta agora com a seguinte redação: "Sempre que ocorrer oscilação no preço do óleo diesel no mercado nacional superior a 5% (cinco por cento) em relação ao preço considerado na planilha de cálculos de que trata o caput deste artigo, para mais ou para menos, nova norma com pisos mínimos deverá ser publicada pela ANTT, considerando a variação no preço do combustível".

De acordo com o órgão subordinado ao Ministério da Infraestrutura, o preço médio do litro diesel S10, utilizado como referência para definição dos coeficientes de piso mínimo de frete apresentou uma queda no período de 25/12/2022 a 31/12/2022, chegando a R$ 6,38 por litro. O percentual é confirmado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), através de uma pesquisa de preços do Diesel S10 ao consumidor, divulgada nesta semana. 


Valores
A Portaria nº 2 promove reduções médias de até 3% nos valores de deslocamento (CCD), conforme o tipo de carga, número de eixos, distância do deslocamento e tipo operação. Já os valores de carga e descarga (CC) não foram alterados. Ficando assim:

- Transporte rodoviário de carga lotação: Nas operações de transporte de carga lotação os valores de deslocamento (CCD) variam de R$/KM 2,9010 a R$/KM 8,7610 dependendo do número de eixos do veículo e tipo de carga (anteriormente variavam de R$/KM 2,9896 a R$/KM 9,0146). 

- Operações em que haja apenas a contratação do veículo automotor de cargas: Neste tipo de operação os valores de deslocamento (CCD) variam de R$/KM 3,9174 a R$/KM 7,6471 dependendo do número de eixos do veículo e tipo de carga (anteriormente variavam de R$/KM 4,0494 a R$/KM 7,9008).

- Transporte rodoviário de carga lotação de alto desempenho: Já nestas operações os valores de deslocamento (CCD) variam de R$/KM 2,6046 a R$/KM 7,8280 dependendo do número de eixos do veículo e tipo de carga (anteriormente variavam de  R$/KM 2,6932 a R$/KM 8,0817). 

- Operações em que haja apenas a contratação do veículo automotor de cargas de alto desempenho: Nestas operações os valores de deslocamento (CCD) variam de R$/KM 3,6055 a R$/KM 6,9826 dependendo do número de eixos do veículo e tipo de carga (anteriormente variavam de R$/KM 3,7375 a R$/KM 7,2362).


Como calcular
A nova tabela publicada na última quarta-feira (4), mantém a metodologia de cálculo através da aplicação do Coeficiente de Carga e Descarga (CC, em R$), do Coeficiente de Deslocamento (CCD, em R$/km) e quilometragem percorrida para o transporte contratado. Ou seja, cálculo do Piso Mínimo de Frete deve ser realizado da seguinte forma:

1- Define-se primeiramente o tipo de operação e o tipo de carga;
2- Na sequência, identifica-se quais os coeficientes de custo de deslocamento (CCD) e de carga e descarga (CC) para o número de eixos do veículo;
3- Define-se a distância a ser percorrida;
4- Por fim, aplica-se a seguinte expressão para o cálculo do Piso Mínimo de Frete em Reais por viagem (R$/viagem): PISO MINIMO DO FRETE (R$/viagem) = (DISTANCIA x CCD) + CC

EXEMPLO: 
Operação: Transporte Rodoviário de Carga Lotação
Carga: Granel Sólido
Veículo: 7 eixos
Distância: 300 km

Reprodução/Portaria nº 2 ANTT

Aplica-se a fórmula:
PISO MINIMO DO FRETE (R$/viagem) = (DISTANCIA x CCD) + CC
PISO MINIMO DO FRETE (R$/viagem) = (300 x 6,0355) + 442,25
PISO MINIMO DO FRETE (R$/viagem) = 1.810,65 442,25
PISO MINIMO DO FRETE (R$/viagem) = R$ 2.252,90

Vale lembrar que, ao contrário do que muitos imaginam, o piso mínimo de frete não é o valor final que deve ser cobrado para a realização de determinada operação de transporte. O piso mínimo de frete é o custo mínimo para realização da operação de transporte.

Segundo a ANTT, devem ser acrescentados ao valor do piso mínimo de frete: O lucro, as despesas de administração, tributos, taxas e valores de frete retorno para veículos impedidos pela regulamentação de trazer cargas. Já o pagamento do pedágio deve seguir obrigatoriamente a regulamentação da Lei 10.209, de 23 de março de 2001, conhecida como Lei do Vale Pedágio. Ou seja, o valor final do frete será calculado da seguinte forma:

VALOR DO FRETE: Piso mínimo + Lucro + Custos com pedágio + despesas


Em vigor
A nova tabela de fretes estabelecida pela Portaria nº 2 entrou em vigor no ato da publicação no Diário Oficial da União.

Confira na íntegra a nova tabela (Portaria nº 2): CLIQUE AQUI


Postar um comentário

1 Comentários

  1. A ANTT serve pra que mesmo? Nada, sempre que a gente precisa deles, falam que temos que procurar justiça, eles servem pra fuder a gente, reduzir o valor da tabela sendo que o diesel fez foi aumentar, vivem a base de propina também? Tenho dúvidas viu

    ResponderExcluir

Nunca publique suas informações pessoais, como por exemplo, números de telefone, endereço, currículo etc. Propagandas, palavras de baixo calão, desrespeito ou ofensas não serão toleradas e autorizadas nos comentários.