TST entende que é devido adicional de periculosidade para motorista

No dia 26/02/2021 o TST por meio da 2ª e 5ª Turma reafirmaram a jurisprudência adota pelo Tribunal, reconhecendo que é devido o adicional de periculosidade para motorista de caminhão.

Para o TST, caso o caminhão tenha tanque suplementar/reserva, com capacidade superior a 200 litros, o adicional de periculosidade é devido. Vejamos:

AGRAVO DA RECLAMADA. RECURSO DE REVISTA DO RECLAMANTE CONHECIDO E PROVIDO. ACÓRDÃO PUBLICADO NA VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.467/2017. MOTORISTA DE CAMINHÃO. TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEL INFLAMÁVEL ACIMA DO LIMITE DE 200 LITROS. TANQUES ORIGINAIS DE FÁBRICA. ADICIONAL DE PERICULOSIDADE DEVIDO. TRANSCENDÊNCIA POLÍTICA RECONHECIDA. A SBDI-1 desta Corte, no julgamento do Processo nº E-RR-50-74.2015.5.04.0871, na sessão de 18/10/2018, interpretando a NR 16 do Ministério do Trabalho e Emprego, em especial subitem 16.6.1, firmou o entendimento de que o adicional de periculosidade é devido em razão do fato de o veículo possuir um segundo tanque, extra ou reserva, com capacidade superior a 200 litros, mesmo que para consumo próprio, conforme o item 16.6 da NR 16, seja ele original de fábrica, suplementar ou alterado para ampliar a capacidade, de forma que não se aplica a exceção descrita no subitem 16.6.1. Precedentes. Com efeito, consignado no acórdão regional que os caminhões conduzidos pelo reclamante possuíam dois tanques originais de fábrica, sendo um suplementar/reserva, com capacidade total de até 820 litros, lhe é devido o adicional de periculosidade, na esteira do item 16.6 da NR 16 do MTE e da jurisprudência firmada neste Tribunal. Agravo não provido" (Ag-RR-283-11.2019.5.12.0030, 5ª Turma, Relator Ministro Breno Medeiros, DEJT 26/02/2021).


No entendimento da 2ª e 5ª Turma, o simples fato do tanque suplementar/reserva ser original de fábrica, e que o combustível seja para consumo próprio do veículo, tal alegação não é capaz de afastar o pagamento do adicional de periculosidade, uma vez que o que submete o motorista à situação de risco, equiparada ao transporte de inflamável.

Outro ponto que merece atenção é que, diferentemente do adicional de insalubridade, o adicional de periculosidade é calculado com base no salário base do funcionário e não com base no salário mínimo. 

Nos termos do art. 193, §1º da CLT, o adicional de periculosidade é devido no percentual de 30% (trinta por cento), calculado sobre o salário, excluído desse cálculo as gratificações, prêmio e PLR pagos pelo Empregador.

ARTIGO: Por Danilo de Lima Assis, advogado, pós graduado em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho pela PUC/RS, atua exclusivamente na área trabalhista consultiva e contenciosa, especialista no setor de transportes rodoviários.

E-mail: daniloassisadv@outlook.com


Postar um comentário

1 Comentários

  1. Trabalho em Um Caminhão que a capacidade máxima do tanque do caminhão é equivalente a 1080 litros, sendo 780 o tanque principal e 300 litros o tanque reserva, tenho direito ao adicional de periculosidade?

    ResponderExcluir

Nunca publique suas informações pessoais, como por exemplo, números de telefone, endereço, currículo etc. Propagandas, desrespeito ou ofensas não serão toleradas nos comentários.