Deputado altera proposta de Bolsonaro e mantém exames toxicológicos para caminhoneiros

O Deputado Federal, Juscelino Filho (DEM-MA), relator da proposta que altera o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), entregue à Câmara dos Deputados em junho deste ano pelo Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, apresentou nesta semana um relatório com uma série de alterações.

Entre os pontos alterados está a permanência da obrigatoriedade do exame toxicológico para motoristas profissionais habilitados nas categorias C, D e E. Pela proposta inicial de Bolsonaro, o exame instituído em 2015 pela lei 13.103, seria extinto.

LEIA: Bolsonaro entrega pessoalmente projeto de lei que põe fim ao exame toxicológico e muda regras da CNH

O relator também alterou a propostas que ampliava o prazo para a renovação da Carteira Nacional de Habilitação. Inicialmente, o Governo Bolsonaro havia proposto a extensão do prazo de renovação de 5 para 10 anos. Agora, Juscelino Filho (DEM-MA) propõe prazo de 10 anos para motoristas com até 40 anos de idade, 5 anos para motoristas com idades entre 41 e  70 anos e 3 anos para os motoristas com idade acima dos 70 anos.

O limite de pontuação na CNH também sofreu alterações. Na proposta inicial, Bolsonaro havia proposto dobrar o limite de pontuação, passando dos atuais 20 pontos para 40 pontos para todos os motoristas. Entretanto, o relatório que altera a proposta prevê o limite de 40 pontos para motoristas sem NENHUMA infração gravíssima, 30 pontos quando houver 1 infração gravíssima e de 20 pontos quando forem registradas 2 ou mais infrações gravíssimas.


O Deputado Federal ainda manteve a multa para a ausência de cadeirinha e propôs a obrigatoriedade do item para crianças com até 10 anos ou 1,45 metros de altura.

Segundo  Juscelino Filho (DEM-MA), a proposta inicial do Governo Federal foi muito criticada e por isso fez todas essas mudanças. "Proteção a vida em primeiro lugar, redução do número de acidentes e a segurança no trânsito", destacou o relator em entrevista a o Jornal Hoje.

Agora a proposta segue para ser debatida em uma comissão especial na Câmara, onde os deputados poderão apresentar novas emendas ao projeto de lei. A expectativa é que esse debate já aconteça na primeira semana de dezembro, possibilitando a votação ainda na primeira quinzena do mês, antes do recesso parlamentar. Se aprovado na comissão especial, o texto pode seguir direto para o Senado, se não houver recurso para a votação no plenário da Câmara.

TEXTO: Lucas Duarte
Caminhões e Carretas

Postar um comentário

5 Comentários

  1. Muitos chefes pra poucos indios,se o presidente da Republica falou,que a CNH,vai ser valida por 10 anos e dez anos e pronto,se mudou a pontuacao de 20 para 40,entao e 40 pontos e pronto,tem que mandar esse deputado que postou essas,parar de entrepelar,o presidente e pronto,tantas coisas pra se preocupar,eai o cara vem mecher com os motoristas,faz essa porra de lei pra ele entao!

    ResponderExcluir
  2. Tipo é possível ao debate.
    Concordo em partes com o relator em todos os itens, só não concordo com o exame toxicológico.
    Porquê não em todas as categorias?
    Quem tem habilitação nas categorias A e B não consomem drogas?
    No meu entender (fui motorista de carreta por 30 anos) as categorias B e A também de bem ser fiscalizadas.

    ResponderExcluir
  3. Concordo plenamente com o exame toxicológico para todas as categorias inclusive taxista. Mas não concordo com o preço do exame,encarece muito a renovação da CNH.

    ResponderExcluir
  4. Esse presidente q elegemos não têm moral. Faz uma lei a i depois vêm um deputadinho qualquer é muda.

    ResponderExcluir
  5. Antes da lei do toxicológicos ele deveriam diminuir o valor do diesel e aumenta o valor do frete aí ninguém seria obrigado a roda dia e noite pra pôde ganhar dinheiro suficiente pra arca com as dispesa diversas.

    ResponderExcluir

Nunca publique suas informações pessoais, como por exemplo, números de telefone, endereço, currículo etc. Propagandas, desrespeito ou ofensas não serão toleradas nos comentários.