Restrição a caminhões no Anel Rodoviário de BH começará em fevereiro

Nesta quarta-feira (22) aconteceu em Belo Horizonte, Minas Gerais, o primeiro encontro do grupo de trabalho responsável pela implantação da restrição ao tráfego de caminhões no Anel Rodoviário que corta a capital mineira. A medida já havia sido anunciada pela prefeitura na última segunda-feira (20) e é vista como uma solução emergencial para os frequentes acidentes no trecho. 

LEIA: Prefeitura de Belo Horizonte restringirá o tráfego de caminhões no Anel Rodoviário

De acordo com o presidente da BHTrans, Célio Bouzada, a restrição está prevista para começar no primeiro semestre de 2018 (fevereiro), inicialmente no trecho do Anel entre o bairro Olhos D´Água (entroncamento com a BR-356) e a avenida Amazonas, de responsabilidade da Via 040. 
Durante o encontro definiu-se ainda as medidas que serão tomadas de forma imediata. Dentre elas está o reforço nas inspeções de caminhões e carretas, para verificar as condições dos freios e de motor e garantir maior segurança. “As principais medidas iniciais são operacionais e precisamos definir qual o perfil do veículo que terá a circulação disciplinada e quais os horários da restrição”, afirmou Bouzada.
Presente no encontro desta quarta-feira, a VIA040, concessionária que administra a BR-040 e o trecho do Anel Rodoviário entre o bairro Olhos D´Água (entroncamento com a BR-356) e a avenida Amazonas, informou que já mapeou quatro postos de combustíveis na BR–040, onde os veículos de carga poderiam parar durante os horários de restrição. Entretanto, os postos mapeados não foram divulgados porque, segundo a prefeitura, ainda não foram comunicados sobre a medida. Mas segundo o presidente da BHTrans, a mudança será bem recebida. “É do interesse dos postos ter os caminhoneiros parados no local, pois eles consomem e abastecem os veículos. Além disso, o próprio motorista vai ganhar, por evitar acidentes”, afirmou.
Por fim decidiu-se que a restrição ao tráfego de caminhões no Anel Rodoviário da capital mineira acontecerá somente após uma audiência pública, que contará com a participação  diversos setores da sociedade, como a Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), sindicatos dos caminhoneiros e empresários. A partir dai será possível definir, o perfil dos veículos de carga que ficarão retidos, os horários de restrição, as rotas de desvio e analisar os impactos. 
O encontro desta quarta-feira (22) contou com a participação de  representantes da prefeitura, da Via 040, da Polícia Rodoviária Federal, da Polícia Militar Rodoviária, da Agência Nacional de Transportes Terrestres e da Guarda Municipal. Já o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) responsável pelo Anel Rodoviário não participou do encontro, devido a ausência de convite. Porém o diretor de operação da Via 040, André Araújo, garantiu a presença do órgão nas próximas reuniões.  

TEXTO: Lucas Duarte

Blog Caminhões e Carretas 
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário