Uma novela chamada Lei do Descanso

22 de outubro de 2014 Category : , 0

Aprovada em 2012 a Lei 12.619, mais conhecida como Lei do Descanso, tem como principal objetivo regulamentar a jornada de trabalho dos caminhoneiros brasileiros. A partir dessa aprovação ficou estabelecido um descanso de 11 horas a cada 24 horas trabalhadas, além da parada de 30 minutos a cada 4 horas dirigidas.
Após essa aprovação uma grande polêmica teve início entre caminhoneiros, donos de transportadoras, embarcadores e políticos. Em grande maioria muitos foram contrários a Lei do Descanso e alegaram que com ela os prejuízos poderiam ser grandes, como por exemplo, atraso nas entregas, fretes altos, mão de obra mais cara, falta de pontos de parada para que os intervalos de descanso fossem cumpridos, entre outros fatores. 
Desde então inúmeras tentativas de adiarem a fiscalização e até mesmo de revogarem a Lei do Descanso vem ocorrendo, tudo isso por meio de protestos, greves, reuniões de sindicatos e transportadoras. Com o objetivo de solucionar essa polêmica, deputados e senadores propuseram alterações na Lei 12.619, tornando-a mais flexível e atendendo em parte as exigências de transportadores e embarcadores.

Scania tem lucro maior no 3º tri, mas encomendas despencam

Category : , , 0

A fabricante de caminhões Scania divulgou nesta quarta-feira alta de 6 por cento no lucro operacional do terceiro trimestre, apoiada em vendas elevadas de serviços, mas citou que as encomendas despencaram, incluindo na Europa, seu maior mercado.
A companhia teve lucro operacional de 2,08 bilhões de coroas suecas (287,25 milhões de dólares) e queda de 15 por cento na carteira de encomendas no trimestre.
"A carteira total de caminhões recuou no terceiro trimestre ante o alto nível do trimestre anterior, principalmente por causa do Oriente Médio", disse a empresa. "As encomendas também recuaram na Europa em relação ao trimestre anterior. Entretanto, isso é um padrão sazonal no mercado europeu."
FONTE: Reuters 

Plano para renovar máquinas prevê linha de crédito do BNDES

Category : 0

Os programas de renovação de máquinas e equipamentos, caminhões e de vagões no país dependem apenas da definição do processo eleitoral para que sejam lançados. Pelo atual desenho, a indústria vai contar com uma linha de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com condições mais favoráveis de juros para troca de maquinários e frotas antigas. O financiamento será atrelado ao compromisso de sucateamento do maquinário substituído, para que ele não retorne ao mercado.
Se a presidente Dilma Rousseff for reeleita, a expectativa é que os três programas sejam apresentados, em conjunto, ainda neste ano. Por outro lado, se o candidato tucano Aécio Neves vencer, o próximo governo terá uma proposta pronta para fazer os ajustes que considerar necessários.
Segundo a secretária de Desenvolvimento e Produção do Ministério de Desenvolvimento, Heloísa Menezes, os programas têm como objetivo melhorar a produtividade e, consequentemente, a competitividade da indústria. "As propostas foram estruturadas com a participação do setor privado e, independentemente de quem for eleito, pode tomar esse trabalho como base", disse a secretária ao Valor PRO, serviço de informação em tempo real do Valor. O montante dos empréstimos e o subsídio ainda devem ser definidos pelo governo e a decisão levará em consideração a situação fiscal em 2015.

DAF comemora um ano no Brasil projetando 10% do mercado de pesados em até 7 anos

Category : , 0

Iniciar atividades num novo mercado nunca é fácil. A empolgação sempre guia as ações e as projeções, mas na prática há dificuldades que precisam ser superadas. Após um ano de operações no Brasil, a DAF demonstra ânimo para conquistar uma expressiva fatia do segmento de pesados no País, porém baseia essa visão do futuro com uma estrutura sólida em Ponta Grossa (PR). Nesta terça-feira, a empresa holandesa convidou a imprensa para conhecer a planta na cidade paranaense e entre anúncios e planos, revelou o objetivo de conquistar 10% do mercado de caminhões pesados, no qual atuará com os modelos XF105 e CF85, dentro de cinco anos a sete anos.
A meta é ambiciosa. 2014 deve encerrar com cerca de 90 mil unidades deste segmento vendidas. Se supormos que o mercado não cresça neste período (algo improvável visto o crescimento do agronegócio, entre outros motivos), para cumprir a projeção será preciso vender mais de 9 mil caminhões, apenas mil unidades abaixo da capacidade produtiva da fábrica de Ponta Grossa. Os resultados com testes em clientes deixa o time de executivos orgulhoso e animado. “Este foi um ano de grande aprendizado para a DAF e toda a nossa equipe”, comemora Marco Davila, presidente da DAF no Brasil.

Fontanella pinta caminhão de rosa em campanha contra o câncer de mama

Category : , 0

Quem passou pelo Auto Posto Chaminé, em Lauro Müller, nos últimos dias pode conferir o caminhão rosa do Grupo Fontanella. A novidade, segundo informou o diretor e um dos sócios da empresa, Valdir Fontanella, faz parte das ações de luta contra o câncer de mama. Conforme o Portal Sul in Foco, o caminhão rosa será dirigido pela única motorista da frota, Madileine Niehues, de 47 anos, que a partir desta terça-feira, dia 21 vai percorrer diversas cidades do país transportando as cargas da Fontanella. “Por ser mulher e dirigir uma carreta, por onde eu passo, costumo chamar a atenção das pessoas, agora dirigindo um caminhão rosa vai ser ainda mais chamativo, mas adorei e achei muito chique”, comenta a motorista que está no grupo há quatro anos e já teve casos de câncer de mama na família.
Para a psicóloga do Grupo Fontanella, Clauzete Estevam, ainda há muitas pessoas que não dão a devida importância para este tema. “A luta contra o câncer precisa ser lembrada e campanhas como a do Outubro Rosa, faz com que as pessoas lembrem e assim se previnam, fazendo os devidos exames. Infelizmente ainda existe um grande número de pessoas com o estigma do medo ou da vergonha de falar sobre tão importante assunto, pois já está comprovado que quanto mais se fala e se faz campanhas, mais as pessoas se conscientizam”, registra.