Prefeitura de Belo Horizonte restringirá o tráfego de caminhões no Anel Rodoviário

A Prefeitura de Belo Horizonte, Minas Gerais, anunciou nesta segunda-feira (21) novas medidas com o objetivo de reduzir acidentes no Anel Rodoviário, via que corta a capital mineira e interliga as principais rodovias do estado, a BR-040 e a BR-381.
As ações foram definidas após uma reunião com a participação do presidente da BHTrans, Célio Bouzada, e representantes da Concessionária BR-040 S.A. (Via 040), da Polícia Rodoviária Federal, da Polícia Militar Rodoviária e da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). 
De acordo com o Prefeito Alexandre Kalil, a solução emergencial encontrada para os frequentes acidentes no trecho é a restrição ao tráfego de caminhões pesados. “É um primeiro passo para acabar com a matança no Anel Rodoviário. Estou muito feliz pela iniciativa da ANTT, da concessionária VIA040, da Polícia Rodoviária Federal e da Polícia Militar Rodoviária, que se sensibilizaram sobre o tema. Depois de anos e anos de descaso e desprezo, esse pessoal sabe da importância de estarmos engajados para resolver o problema”, afirmou.
Segundo prefeito, a partir desta quarta-feira (22), um grupo de trabalho vai começar a estudar os melhores horários para a restrição do trânsito desses veículos, especialmente em trechos considerados mais perigosos, como o que se localiza entre os bairros Olhos D’água e Cidade Industrial. Também será estudada a construção de áreas de escape ao longo do Anel.
A medida anunciada pela prefeitura é vista com bons olhos por grande parte da população belo-horizontina, mas sem levar em consideração o impacto da restrição ao transporte rodoviário de cargas. Entretanto, a mesma medida esbarra em uma série de fatores quem podem impedi-la de ser colocada em prática. Confira: 

1- Via sob responsabilidade do DNIT: Apesar disso, o orgão não participou e nem se quer foi convidado para a reunião desta segunda-feira. Em nota, a própria ANTT observa que o Dnit é quem pode implementar as ações. Questionada, a PBH não explicou porque excluiu o órgão.

2- Falta de rotas alternativas: O Anel rodoviário é a única via na capital mineira que interliga as rodovias BR-040 e BR-381, portanto, caminhoneiros de todo o país que chegam, saem ou apenas estão de passagem pela capital mineira são obrigados a utilizar o trecho. Além da ausência de uma rota alternativa, a região metropolitana de Belo Horizonte, não conta com uma estrutura adequada e suficiente para acomodar os caminhões que aguardarem o fim do período de restrição. 
Segundo o Presidente do Instituto Brasileiro de Segurança no Trânsito (IBS), David Duarte Lima, a medida pode fazer com que dezenas de caminhoneiros decidam esperar nos acostamentos, o que aumenta a chances de engarrafamentos e de novos acidentes. 
3- Prejuízos ao transporte rodoviário de cargas
Levantamentos da Polícia Militar Rodoviária mostram que cerca de 160 mil veículos circulam diariamente no Anel Rodoviário. De acordo com o Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas de Minas Gerais (Setcemg), desse montante, 12% são veículos de carga, o que corresponde a cerca de 20 mil caminhões diariamente.
A restrição a esse elevado número de veículos pesados tem como principais consequências, aumento dos custos, atraso nas entregas, encarecimento das mercadorias, risco de roubo de carga e aumento dos gastos com motorista.

O Setcemg estima que um veículo parado, sem carga, significa um prejuízo médio de R$ 50 por hora. O valor é alterado de acordo com a mercadoria que estiver sendo carregada. 

4- Questão jurídica: A ausência do DNIT nas reuniões e em todo o processo de elaboração do quadro de restrições, impede que a medida seja colocada em prática. Além disso, caso a restrição seja efetivada, haverá a possibilidade de recurso na justiça por parte dos transportadores, uma vez que fere os princípios da igualdade e da livre circulação de pessoas e bens, previstos na Constituição.

Confira oito problemas encontrados no Anel Rodoviário de Belo Horizonte 

1- Estreitamento de pistas 
2- Redução de faixas (De três para duas)
3- Grande fluxo de travessia de pedestres 
4- Ocupações irregulares 
5- Falta de acostamentos em vários trechos 
6- Afunilamento de pista próximo a radares 
7- Descidas acentuadas 
8- Alta velocidade dos condutores 

TEXTO: Lucas Duarte
Blog Caminhões e Carretas 
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

5 comentários:

  1. Sou caminhoneiro a 20 anos, e assim como em São Paulo na marginal, no Rio de janeiro a ponte Rio Niterói, na descida e subida de Santos existe a restituição de caminhões nos horários de pico, acho correto e emergencial adotar esse procedimento no anel rodoviário de Belo Horizonte e também no trecho entre contagem e Betim. precisamos salvar vidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não concordo.
      A falta de responsabilidade dos condutores não pode cair em cima dos caminhoneiros.

      Excluir
  2. Então agora os caminhoneiros são os assassinos, tem oito problemas listados acima,só um pode se aplicar aos caminhoneiros, acho um absurdo td cair sobre os caminhoes.

    ResponderExcluir
  3. É só governo deixa de roubar o dinheiro do povo e fazer obras como ampliada as pontes ,estreitamento de pista ,o fluxo aumentou e eles querem só pra eles é fácil ficar esperando horário para passa esse peso Al estão no conforto de suas casas .

    ResponderExcluir
  4. Como sempre o governo rouba,quem paga a Conta somos nós trabalhadores!

    ResponderExcluir