17% das pessoas no setor de transporte são mulheres

Divulgação

Rafaela Lopes, proprietária da Greew Transportes, comenta sobre a mulher no setor

Google News
Com cerca de 2,3 milhões de pessoas no setor, o Brasil possui 17% das pessoas que trabalham no transporte sendo sexo feminino. Dados são do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

O dado demonstra que o setor de transportes ainda é extremamente hostil às mulheres. Cerca de 83% das pessoas que trabalham no meio são homens. “Quando donas de confecção precisam lidar com a logística, por exemplo, acaba rolando um pouco de desconforto”, diz Rafaela. 


No Brasil, cerca de 97% das mulheres já sofreram algum tipo de assédio em um meio de transporte. O dado é da pesquisa realizada pelo Instituto Patrícia Galvão e Instituto Locomotiva. Aplicativos como 99, por exemplo, criaram recursos para que passageiras possam solicitar mulheres motoristas, a fim de evitar qualquer tipo de problema ou desconforto..

Rafaela Lopes, fundadora e proprietária de uma transportadora, percebe a predominância masculina no transporte de cargas. Mas isso nunca foi um obstáculo  “O transporte rodoviário caminha para a direção da igualdade. Em São Paulo, por exemplo, houve um crescimento de 61% das mulheres que participam do setor”, comenta.

Não só o avanço, mas empresas que visam o progresso em si. A Greew é uma empresa de transporte comandada e que tem a cara de uma mulher, feita para outras mulheres. O caminhoneiro da Greew sabe que trabalha majoritariamente para mulheres. Ele sabe que precisa ter uma postura adequada para isso. O caminhoneiro sabe que a Greew não vai tolerar as piadinhas de boteco, porque quem manda na empresa são as mulheres”, diz Rafaela.


Em contrapartida à "hegemonia masculina”, a presença feminina tem sido ampliada nos cargos de liderança de forma geral. A pesquisa mais recente realizada pelo International Business Report da Grant Thornton apontou que 34% dos cargos de diretoria executiva são ocupados por pessoas do sexo feminino no Brasil, 5% acima da média global.

"É importante reforçar a importância de termos mais mulheres e diversidade não só na alta liderança das empresas, mas em todos os lugares”, conclui Rafaela.

FONTE: Divulgação

Postar um comentário

0 Comentários