Scania 65 anos

Operação policial apreende 13 caminhões adulterados de empresa na Bahia

Caminhões apreendidos apresentam sinais de adulteração na numeração do chassis e dos motores - Foto: PRF/Divulgação

Operação contou com a participação da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Polícia Militar da Bahia (PMBA) e Polícia Civil da Bahia; empresa de hortifrutigranjeiro é investigada pelas fraudes veiculares

Google News
Uma ação conjunta entre a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a Polícia Militar da Bahia (PMBA) e a Polícia Civil da Bahia, realizada nesta semana em Teixeira de Freitas (BA), resultou na apreensão de 13 (treze) caminhões com sinais de identificação adulterados.

Após um longo trabalho de investigação das forças de segurança, As equipes realizaram diligências com o objetivo de vistoriar uma empresa do ramo de hortifrutigranjeiro que estaria sendo utilizada para a prática delituosa de fraudes veiculares, através da adulteração de veículos furtados ou roubados com placas de veículos idênticos e legalizados a fim de passarem despercebidos por fiscalizações.


Durante a ação, treze caminhões que estavam com os caracteres de identificação adulterados (motor/chassi) foram apreendidos e em alguns deles possuíam registro de furto/roubo e circulavam clonados. Além disso, um dos caminhões estava carregado com caixas de cerveja que estava sem nota fiscal.

Todos os veículos e o material apreendidos foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil de Teixeira de Freitas, para continuidade do inquérito policial. Já os caminhões passarão por perícia, inclusive, as investigações continuarão para verificar se o local também estaria sendo utilizada como possível desmanche clandestino de veículos.

Polícia Rodoviária Federal (PRF), Polícia Militar da Bahia (PMBA) e Polícia Civil da Bahia participaram da operação - Foto: PRF/Divulgação


Como funciona o crime de clonagem de veículos
Segundo a PRF, na clonagem (cabrito), os criminosos trocam a identificação do veículo e seus documentos para que pareça ser um veículo regular. Neste momento o veículo recebe placas de outro veículo com características semelhantes e o proprietário desse veículo, que se encontra em situação regular, torna-se a segunda vítima dos criminosos pois passa, muitas vezes, a receber multas de trânsito e pontos na carteira (CNH) por infrações relacionadas ao veículo clonado e, em algumas situações o proprietário paga as multas sem ter conhecimento real do cometimento da infração.

Durante as ações de fiscalização, a PRF verifica uma série de modalidades que giram em torno dos crimes relacionados às fraudes veiculares. Essas modalidades vão desde o simples furto/roubo do veículo passando pela utilização de documentos falsos e receptação, o que pode dificultar a identificação do crime e por isso exige uma fiscalização minuciosa por parte dos policiais.


Outra modalidade utilizada é a revenda, alimentada pelo comércio ilegal desses veículos clonados, muitas vezes negociados em sites na internet por valores inferiores ao preço real do veículo. Nesta fase do crime temos a terceira vítima em potencial, o comprador que, inadvertidamente, passa a ter a posse do veículo clonado.

Operação contra fraudes veiculares foi desencadeada em Teixeira de Freitas (BA) - Foto: PRF/Divulgação

Com informações: PRF

Postar um comentário

0 Comentários