Fretebras Superior

Entidade afirma que pneus importados são mais caros para caminhoneiros

Adobe Stock

Estudo promovido pela a ANIP, releva que a diferença está na quantidade de reformas que os pneus nacionais permitem, em relação aos importados

Com objetivo de reduzir os elevados custos que pesam diariamente sobre os caminhoneiros autônomos, o Governo Federal zerou no início deste ano os impostos de importação de pneus de carga. Entretanto, um recente, promovido pela Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (ANIP), revelou que a medida não resolve o problema da categoria, e ao contrário do que se imaginava, a alternativa pode elevar os custos operacionais.


Segundo a ANIP, a desvantagem fica clara quando se compara a durabilidade e capacidade de reformas dos pneus nacionais em relação aos importados. Atualmente, os nacionais permitem duas reformas, em média. Já os importados, no máximo uma. “A médio e longo prazo, essa diferença pode representar um gasto até 53% maior para os profissionais que optarem pelos importados”, explica Klaus Curt Muller, presidente executivo da ANIP.


De acordo com o estudo, para rodar 300 mil Km, por exemplo, o caminhoneiro irá comprar um pneu nacional e poderá realizar duas reformas nele, até que, então, precise adquirir um novo produto. O investimento, neste caso, será de R$ 2.200,00 (valor do pneu novo), R$ 733,00 (primeira reforma), R$ 733,00 (segunda reforma) e, por fim, mais R$ 2.200,00 para a compra de um novo pneu. No final o caminhoneiro gasta uma média de R$ 5.866,00.

Já para rodar os mesmos 300 mil km com os importados, o estudo afirma que o caminhoneiro precisará comprar três pneus novos e reformar cada um deles apenas uma vez para rodar os 300 mil Km, sendo R$ 1.800,00 (de um pneu novo), R$ 600,00 (reforma 1), R$ 1.800,00 (segundo pneu novo), R$ 600,00 (reforma 2), R$ 1.800,00 (terceiro pneu novo), R$ 600,00 (reforma 3) e, finalmente, mais R$ 1.800,00 para o quarto pneu novo. Ao final dos 300 mil Km o caminhoneiro terá gasto R$ 9.000,00, que representa quase o dobro do que teria sido gasto com o pneu nacional.

ANIP/Divulgação




“Esta é uma clássica situação do barato que sai caro. O pneu importado, que a princípio tem um custo de mercado mais baixo do que o nacional, ao final de 300 mil Km acaba saindo bem mais caro para o caminhoneiro”, explica o executivo. Em alguns casos, os pneus importados não permitem sequer uma única reforma. “Aproximadamente 30% dos pneus importados não são passíveis de fazer qualquer reforma por terminarem a sua primeira vida com algum problema na carcaça, como separação de cintas, deformidade ou excesso de danos”, explica.

Curt Muller lembra ainda que a diferença é ainda maior quando se considera o número de pneus de um caminhão com carreta. “A diferença de R$ 3.100,00 a cada 300 mil Km do pneu importado em relação ao nacional gera um custo extra de cerca de R$ 56.000,00, quando multiplicamos o valor pelos 18 pneus do veículo”, finaliza.

Com informações: ANIP
Caminhões e carretas

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Antes de reduzir o imposto tava tudo tranquilo depois q baixo o imposto agora não serve mais...

    ResponderExcluir

Nunca publique suas informações pessoais, como por exemplo, números de telefone, endereço, currículo etc. Propagandas, palavras de baixo calão, desrespeito ou ofensas não serão toleradas e autorizadas nos comentários.