IVECO A gente nao para

Volkswagen duplica exportação de caminhões e ônibus no primeiro quadrimestre

VWCO/Divulgação

Somente nos quatro primeiros meses do ano, a marca exportou mais de 2.000 caminhões e ônibus

A Volkswagen Caminhões e Ônibus encerrou o primeiro quadrimestre de 2021 com bons motivos para comemorar. De Janeiro a Abril a marca atingiu a marca de 2.527 veículos exportados. No mesmo período de 2020, época de eclosão da pandemia, a marca havia enviado para o exterior apenas 1.084 unidades.

“Cada mercado experimenta razões diferentes para a alta na demanda, mas modo geral podemos observar uma tendência de recuperação e retomada após um período tão difícil como o início de 2020”, comenta Roberto Cortes, presidente e CEO da VW Caminhões e Ônibus.

Neste primeiro período do ano, o Chile se destacou como o país campeão na compra de veículos VWCO, graças as 720 unidades recebidas. No país, a mineração de cobre e o mercado de commodities, impulsionaram a demanda por caminhões, com destaque para os modelos VW Constellation 17.280, um dos mais vendidos na região.


Também no primeiro quadrimestre de 2021, o Uruguai atingiu a expressiva marca de 100 caminhões vendidos em um único mês, número que garantiu à marca a liderança do mercado local.

Já nos demais países que compõem a América Latina, a distribuição de alimentos e bebidas impulsionaram as vendas da família Delivery, especialmente do modelo 11.180, veículo mais exportado no período pela VWCO. Na América Central, os recentes lançamentos dos modelos em países como Guatemala ampliam essa conta.

O continente africano também assegurou uma posição de destaque como um dos principais destinos dos veículos VWCO, especialmente de ônibus. Presente no programa de modernização do transporte público de Angola, a marca mantém as entregas de Volksbus 17.210 que já entram no combate contra a pandemia de Covid-19. Todas as unidades são equipadas com barreiras de proteção para motorista e cobrador Marcopolo BioSafe, que reduz a possibilidade de contágio ao diminuir a exposição dos profissionais a possíveis gotículas expelidas durante a fala, tosse ou espirro.


Postar um comentário

0 Comentários