Terça-feira é marcada por protestos de caminhoneiros contra o preço do diesel em diversos estados

Reprodução/Redes Sociais
Os quatro significativos e sucessivos aumentos no preço do óleo diesel, promovidos pela Petrobras, ao longo das últimas semanas, desencadearam uma série de reações negativas do transporte rodoviário de cargas brasileiro, especialmente de caminhoneiros autônomos. 

LEIA: Petrobras anuncia aumento de mais 5% no preço do óleo diesel

Prova disso, são os protestos realizados pela categoria em diferentes regiões do país ao longo desta terça-feira, 2 de março. Veja: 

Ceará
Na tarde desta terça-feira (2), 40 caminhoneiros realizaram uma manifestação pacífica contra os altos preços dos combustíveis, no km 44 da BR-116/CE, na região do município de Horizonte. Agentes da Polícia Rodoviário Federal (PRF) que acompanharam o protesto, confirmaram que o ato ocorreu de maneira pacífica, ocupando apenas as margens da rodovia. 

Minas Gerais
No estado de Minas Gerais, nas primeiras horas da manhã, centenas de caminhões passaram a ocupar os acostamentos da MG-424, no município de Vespasiano, região metropolitana de Belo Horizonte (MG). De acordo com a Polícia Militar Rodoviária, a categoria presente no local protestou contra o aumento do preço do diesel.

Já na BR-040, no trecho que corta o município de Ribeirão das Neves, também na região metropolitana da capital mineira, um protesto de caminhoneiros também ocupou os acostamentos da rodovia A informação é confirmada pela VIA040, concessionária que administra a rodovia, e pela Polícia Rodoviário Federal (PRF). Segundo a corporação, não houve o fechamento de pistas.


Paraná
No Paraná, a manifestação de caminhoneiros contra os sucessivos aumentos no preço do óleo diesel aconteceu na PR-445 em Londrina. Assim como nos demais estados, a integrantes da categoria que participaram dos protestos ocuparam apenas os acostamentos da rodovia e não bloquearam as pistas.

Rio Grande do Sul
O município de Pelotas, no Rio Grande do Sul, também registrou protestos de caminhoneiros nesta terça-feira (2). Um grupo de caminhoneiros se concentrou ao longo dia no km 66 da BR-392 para também protestar contra o atual preço do litro do óleo diesel.

Presentes na manifestação, agentes da PRF também confirmaram que o movimento transcorreu de maneira pacífica e sem o bloqueio das pistas da rodovia.

Possibilidade de greve
Os significativos e sucessivos aumentos nos preços dos combustíveis, especialmente do óleo diesel, promovidos pela Petrobras nestes três primeiros meses do ano têm intensificado os debates e discussões sobre a possibilidade de realização de uma nova paralisação nacional de caminhoneiros, semelhante a ocorrida em 2018. 

As principais entidades e lideranças que representam a categoria, principalmente nas negociações diretamente com o governo federal, começaram a se pronunciar pelas redes sociais e a avaliar a decisão de paralisação das atividades. 


Avaliação da Petrobras
Na última quinta-feira, 25 de fevereiro, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou que o preço dos combustíveis no Brasil não é alto, nem baixo, mas é o preço de mercado. A declaração foi dada durante a apresentação dos últimos resultados trimestrais da empresa.

"Não existe nenhum exagero no Brasil, embora alguns impostos sejam elevados, por exemplo, comparando com os Estados Unidos, onde os impostos são baixos. O Brasil tem preços mais elevados", disse Castello Branco.



Postar um comentário

0 Comentários