Estrela das Estradas


Casas Scania

IVECO A gente nao para

Produção de caminhões cresce 25% no primeiro bimestre do ano

IVECO/Divulgação

Alta na produção de caminhões é confirmada pelo balanço oficial da Anfavea

A produção brasileira de caminhões segue mantendo o ritmo de recuperação dos impactos da pandemia de Covid-19 (Coronavírus). Prova disso são os números confirmados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

De acordo com o balanço oficial da entidade, no primeiro bimestre de 2021, janeiro e fevereiro, foram produzidos 20,4 mil caminhões em todo o país, crescimento de 24,9% em relação ao mesmo período de 2020.

Considerando apenas o mês de fevereiro, 11,8 mil caminhões foram produzidos no país, alta de 37,9% em relação ao mês anterior, janeiro, quando foram montados 8,6 mil modelos. Já em relação a fevereiro de 2020, quando a indústria foi responsável pela produção de 9,1 mil caminhões, o crescimento chegou a 29,3%.

“Muitas das nossas montadoras trabalharam até durante o Carnaval para tentar recompor os baixos estoques e compensar alguns atrasos e paradas por falta de insumos, mas ainda há muita dificuldade de retomar o ritmo normal de funcionamento das fábricas”, explicou Luiz Carlos Moraes, Presidente da ANFAVEA.


Futuro
Para o Presidente da ANFAVEA, o primeiro bimestre não serve de termômetro para o desempenho do ano pois é geralmente o que tem menor ritmo de negócios, mas apresenta alguns elementos que aumentam a preocupação do setor automotivo. “Temos duas crises se agravando. A sanitária é a que mais preocupa, pois vem ceifando cada vez mais vidas de brasileiros. A crise conjuntural, consequência da primeira, vem desorganizando toda a cadeia global de fornecimento e provocando gargalos e paradas cada vez maiores nas fábricas. A tudo isso se soma a fragilidade estrutural do ambiente de negócios no Brasil, que reduz nossa competitividade em nível internacional, e que não vem sendo devidamente atacada pelas várias esferas do poder público. Tudo isso gera um horizonte absolutamente nebuloso para o planejamento estratégico das empresas, e isso vale para todos os setores da economia”, alerta Moraes.

Confira na íntegra o balanço da Anfavea: CLIQUE AQUI


Postar um comentário

0 Comentários