Estrela das Estradas


Casas Scania

IVECO A gente nao para

DNIT realiza obras de manutenção em trecho não pavimentado da BR-158/MT

DNIT/Divulgação

Trabalho busca garantir a trafegabilidade e o escoamento da safra de grãos

As equipes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) atuam 24h por dia, sete dias por semana, na manutenção do trecho não pavimentado da BR-158/MT, no Estado de Mato Grosso, com o objetivo de garantir a trafegabilidade e o escoamento da safra de grãos.

O segmento tem aproximadamente 130 quilômetros de extensão, na região do Araguaia. Para uma maior efetividade dos serviços, cinco frentes de trabalho atuam na região, sendo uma volante e quatro alocadas em trechos da rodovia.

Já foram disponibilizadas mais de 20 mil toneladas de pedras ao longo do segmento para uma manutenção mais rápida da rodovia, além de 50 máquinas.

Após visita técnica de representantes do DNIT, nesta quinta-feira (04), as equipes da Autarquia constataram que os pontos críticos estão sob controle e que não há mais filas de veículos ao logo do trecho.


A estimativa é de que aproximadamente duas mil carretas carregadas trafegam pela rodovia diariamente, número superior ao observado em anos anteriores. Isso acarreta dificuldades na manutenção do trecho de terra no período chuvoso.

É importante lembrar que para execução dos serviço de manutenção de maior amplitude, são necessárias interrupções de tráfego, que podem ocasionar a formação de filas momentâneas de caminhões. Mesmo assim, em nenhum momento foi registrada interrupção superior a três horas, seja parada programada ou em função de acidentes e dificuldades na pista.

Pavimentação 
A respeito da pavimentação da rodovia, o DNIT informa que foi definido, em 2019, em razão de questões relacionadas a licenciamento, um novo traçado, contornando a Terra Indígena Marãiwatsédé. A Autarquia já elaborou anteprojeto e licitou projeto e obra do lote A. A licitação de projeto e a obra do lote B está em fase de elaboração. As obras só poderão ser iniciadas após a emissão das devidas licenças ambientais.

FONTE: DNIT

Postar um comentário

0 Comentários