Produção de caminhões despenca 95% em abril

Amargando os efeitos da pandemia de COVID-19 (Coronavírus), a produção brasileira de caminhões atingiu em abril o menor nível mensal desde 1957. Os números são confirmados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

De acordo com o balanço oficial da entidade, no mês abril foram produzidos apenas 430 caminhões no Brasil, queda significativa de 95,2% em relação a março, quando foram produzidos 8,4 mil unidades. Em relação a abril de 2019, quando foram produzidos 9,4 mil caminhões, a indústria brasileira registrou recuo de 95,7% na produção de caminhões. 

Já no acumulado primeiro quadrimestre de 2020 foram produzidos 25,1 mil caminhões em todo o país, queda de 26,5% em relação ao mesmo período de 2019, quando foram produzidos 34,2 mil caminhões.  

A comercialização de caminhões no Brasil também recuou no primeiro quadrimestre de 2020. De acordo com a Anfavea, foram comercializados 4 mil caminhões em abril, queda de 38,6% em relação a março e de 53,5% em relação a abril de 2019. No acumulado do primeiro quadrimestre de 2020, os emplacamentos de caminhões novos totalizaram 24,1 mil unidades, queda de 19,6% em relação ao mesmo período de 2019, quando foram comercializados 30 mil caminhões em todo o país.


Os números negativos são justificados pela interrupção da produção e comercialização de caminhões em todo o país, em virtude das medidas de isolamento social, afim de evitar a expansão da pandemia do Novo Coronavírus.

Para Luiz Carlos Moraes, Presidente da Anfavea, é preciso em primeiro lugar proteger a saúde dos funcionários, e ao mesmo tempo encontrar meios para que o Brasil não entre numa recessão tão grave que possa levar o país a um colapso. “Isso exige um engajamento coordenado de toda a sociedade e também do Estado brasileiro, com foco absoluto na saúde e na economia. Não é hora de ruídos políticos que só desviam as atenções do que realmente interessa à população brasileira no momento de uma crise sem precedentes”.

Confira na íntegra os números da Anfavea: CLIQUE AQUI

TEXTO: Lucas Duarte
Caminhões e Carretas

Postar um comentário

0 Comentários