Randon Implementos registra o segundo melhor trimestre da história

RANDON/Samuel Zulianelo
Apesar das projeções mínimas de crescimento da economia brasileira em 2019, a Divisão de Montadoras das Empresas Randon, encerrou o segundo trimestre com bons motivos para comemorar.

De acordo com o balanço oficial, divulgado pela empresa gaúcha, de abril a junho foram comercializados 6.957 implementos rodoviários (mercado interno, exportações e unidades no exterior), número que consagrada o período como o segundo melhor da história da marca. 

Ainda segundo a Randon, no segundo trimestre, as vendas de semirreboques para o mercado externo apresentaram crescimento de 5% no comparativo com o mesmo período de 2018. A evolução se deve principalmente à retomada das vendas para o continente africano. Embora a Randon mantenha seu market share em exportações acima dos 70%, o mercado externo tem dado sinais de desaceleração, principalmente em função dos preços das commodities, afetando o cobre (Chile e Peru) e grãos (Bolívia e Paraguai). Na Argentina, o cenário permanece complexo por questões políticas, potencializado por ser ano eleitoral.

Apesar dos números positivos obtidos nos dois primeiros trimestres de 2019, a Randon projeta com moderação o futuro do mercado de implementos. "Com a baixa atividade econômica ao longo do ano, já se observa uma desaceleração nas vendas de semirreboques em todos os segmentos, o que pode afetar a carteira de produção do 4T2019 e início de 2020, caso não haja uma retomada dos negócios nos próximos meses", destaca a empresa.


Empresas Randon
Apesar da rápida reversão da expectativa de um novo ciclo de crescimento brasileiro, que não se confirmou, as Empresas Randon registraram boa performance no primeiro semestre. A receita bruta total das Empresas Randon de janeiro a junho de 2019 alcançou R$ 3,5 bilhões, avanço de 27,6% sobre o mesmo período de 2018. No segundo trimestre de 2019, a receita bruta total somou R$ 1,9 bilhão, 29,2% superior à obtida no mesmo período de 2018 (R$ 1,5 bilhão). A receita líquida consolidada somou, de janeiro a junho de 2019, R$ 2,4 bilhões, aumento de 25,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, enquanto no segundo trimestre deste ano somou R$ 1,3 bilhão contra R$ 1 bilhão no comparativo anterior.

Para o CFO das Empresas Randon, Paulo Prignolato, há diversos fatores conjugados que levaram a este resultado. “Estamos em um cenário de recomposição de preços, controle de custos e volumes crescentes de vendas de caminhões pesados e implementos rodoviários, o que demanda maiores volumes de autopeças das empresas controladas, especialmente freios e eixos e suspensões. Também tivemos recentemente a conclusão de projetos de expansão de capacidade com ganhos de produtividade, como a inauguração do centro de distribuição Randon Linhares e a constituição da Randon Triel-HT”, ilustra ele.

TEXTO: Lucas Duarte 
Com informações: Randon 

Postar um comentário

0 Comentários