Caminhoneiros iniciam terceiro dia de paralisação com protestos em 22 estados

Caminhoneiros deram início ao terceiro dia consecutivo de paralisação nacional do transporte rodoviários, nesta quarta-feira (23). O protesto inicialmente convocado pela Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), ganhou força em todo o país após outras entidades confirmarem adesão.
Além das entidades, postos combustíveis, transportadoras e  empresas ligadas ao transporte rodoviário de cargas também passaram a apoiar a manifestação em todo o país. Destaque para a distribuição gratuita de refeições e o fornecimento de estacionamento e banho gratuitos.
Segundo as informações mais recentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF), caminhoneiros protestam em 22 estados e no Distrito Federal na manhã desta quarta-feira (23). São Eles: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraná, Piauí, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.
Dentre todos os estados, Minas Gerais e Paraná lideram em pontos de paralisação com 37 registros em cada, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), seguido pelo Estado de Santa Catarina com 31 pontos de protestos e Goiás com 22 pontos de paralisação. 
Confira abaixo o mapa interativo da Polícia Rodoviária Federal (PRF), atualizado minuto a minuto. Para conferir a quantidade e o local exato de cada ponto de bloqueio, CLIQUE SOBRE O ESTADO de interesse e arraste o mapa para o lado. Confira: 
Desabastecimento
A paralisação nacional do transporte rodoviário de cargas já provoca desabastecimento em diversos estados brasileiros. Destaca-se a falta de combustíveis em postos e aeroportos e falta de alimentos em centrais de abastecimento e supermercados.
Nesta última terça-feira (22), o Aeroporto de Brasília cancelou três voos por conta da falta de combustíveis. Já na manhã desta quarta-feira (23), empresas de transporte de público reduziram a frota de ônibus por conta da falta de combustíveis. 
Gato por lebre: Fim da CIDE em troca da reoneração da folha
Afim de conter a paralisação de caminhoneiros, o Governo Federal anunciou nesta terça-feira (22) o fim da CIDE 
sobre o diesel para ajudar a reduzir o preço dos combustíveis no País. 
Além da medida ser vista como insignificante por caminhoneiros e entidades ligadas ao transporte, o fim do imposto só entrará em vigor três meses após o Presidente Michel Temer assinar um Decreto Federal confirmando o zeramento do imposto. 
Entretanto, o Governo Federal destacou ainda que só confirmará o fim do imposto quando a Reoneração da folha for votada e aprovada na Câmara dos Deputados. Segundo o Governo seria uma troca que manteria o equilíbrio na arrecadação de impostos no país. 
Porém, segundo a Confederação Nacional do Transporte (CNT), a reoneração da folha vai gerar demissões em massa no setor transportador, devido a alta carga tributária que voltará a incidir sobre as folhas de pagamento. Segundo o texto do Projeto, empresas que atuam com transporte rodoviário de cargas, ferroviário de cargas, aéreo de cargas e de passageiros, marítimo e com o armazenamento de contêineres deverão, obrigatoriamente, recolher 20% sobre os pagamentos dos empregados e contribuintes individuais (sócios e autônomos) para a Previdência Social.

LEIA: Pronto para ser votado, projeto causará demissão em massa no setor transportador
LEIA: Reoneração vai gerar demissões em massa no setor de transporte

Saiba tudo sobre a greve de caminhoneiros: CLIQUE AQUI

TEXTO: Lucas Duarte
Blog Caminhões e Carretas
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário