Empresa de transporte faz balanço positivo do setor e planeja 2023 ainda mais promissor

ABC Carga/Divulgação

Empresário destaca a união e a compreensão de todos que compõem o transporte de cargas para um ano ainda melhor

Google News
A temporada de 2022 foi promissora para o transporte rodoviário de cargas levando em consideração os últimos anos afetados pela pandemia do coronavírus. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) sobre o Produto Interno Bruto (PIB) mostraram que o setor cresceu 2,1% no primeiro trimestre deste ano em relação ao ano anterior. Esse desempenho está relacionado à combinação de fatores como o retorno gradual das atividades e a consequente redução de casos de infecção de covid-19, além de uma melhor situação logística internacional.

Esses números são reflexo do trabalho que as transportadoras do setor produziram durante o ano para alavancar ainda mais o transporte de cargas. De acordo com dados da última Pesquisa Mensal de Serviços, apresentada pelo IBGE em 14 de julho de 2022, o segmento exibe um aumento de 23,1% em volumes transportados em comparação ao registrado em fevereiro de 2020.


Danilo Guedes, presidente da ABC Cargas, empresa localizada no ABC Paulista, faz um panorama positivo do que foi a temporada passada para eles: “Para nós aqui na ABC, sem dúvidas foi um ano produtivo em termos de serviços. Tivemos o aumento da frota de caminhões e investimentos internos com o objetivo de modernizar as operações, entre outras ações, o que ajudou no nosso crescimento”, descreve o executivo.

Apesar da alta demanda do modal, que por si só representa cerca de 65% da movimentação de mercadorias por todo o território brasileiro, o setor encarou alguns obstáculos que prejudicaram
 
seu desenvolvimento. Guedes ressalta um dos fatores presentes em sua empresa: “Sem dúvida, a oscilação que a cadeia de abastecimento das montadoras de caminhões sofreu durante todo o ano, pois isso afeta muito nosso planejamento operacional e de caixa. Em relação ao transporte, os aumentos de diesel causaram um impacto grande na lucratividade das empresas em geral, e o aumento expressivo dos valores dos caminhões, dos implementos e dos pneus trouxe ainda mais pressão”.


Expectativas para 2023
Em contrapartida aos gargalos que apareceram, as diversas iniciativas idealizadas pelas entidades do transporte rodoviário de cargas animaram os empresários a continuarem buscando estratégias de evolução dos seus negócios.

Danilo acrescenta a importância de estar envolvido entre as lideranças para reconhecer o momento do modal como um todo: “Temos uma boa perspectiva de negócios para 2023, apesar de entender que o primeiro semestre deste ano pode demorar um pouco para impulsionar. Apesar disso, estou sempre antenado nas decisões governamentais e das organizações privadas, porque isso me ajuda a saber o caminho que posso traçar internamente”.

Contudo, o que se espera para esse ano em uma eventual progressão e em comparação com os números apresentados no ano passado é uma movimentação da melhoria da infraestrutura das estradas e pontos de paradas, além de outros aditivos que afetam o trabalho das empresas e profissionais.

As mudanças que ocorrem a cada quatro anos devido à troca ou à manutenção do viés político no cargo presidencial causam uma única preocupação nas empresas de transporte: saber como esse novo governo atenderá às preocupações do setor durante o ano.


Independentemente das incertezas correlacionadas ao novo mandato que vai começar, teremos que continuar levando as principais dores e necessidades do transporte para eles. Porém, entendo que estamos muito bem representados pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e pela Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística). Teremos algumas pautas importantes para 2023, dentre elas aprovar de forma definitiva a desoneração do INSS na folha de pagamento, finalizar o marco regulatório de transportes e conhecer a política de preços da Petrobras com o novo governo”, pondera o executivo.

Espera-se que o modal rodoviário de cargas continue se destacando, muito por conta da integração de tecnologias que vem assumindo grande parte da otimização das operações, para mitigar ainda mais o impacto de fatores externos.

Guedes finaliza demonstrando esperanças de um 2023 ainda melhor: “Apesar de entender que o primeiro semestre será um pouco abaixo do esperado, existe uma expectativa grande para que o transporte de cargas, com a chegada do Euro 6 e de outras iniciativas públicas e privadas, fortaleça ainda mais o transporte em geral”.

FONTE: Divulgação

Postar um comentário

0 Comentários