Gigantes do transporte anunciam folgas para motoristas votarem no próximo domingo

Divulgação

Iniciativa pode reduzir de forma significativa a abstenção registrada no 1º turno; comparecimento às urnas e voto consciente decidirão os rumos do Brasil

Google News
Em meio a uma eleição presidencial marcada por uma significativa polarização, troca de acusações, divulgação de fake news e até mesmo inúmeras decisões judiciais no mínimo contestáveis, o voto ainda segue sendo o único ponto fundamental e capaz de decidir os rumos do Brasil nos próximos quatro anos

Cientes da importância deste direito garantido por lei e atentas à grande abstenção registrada no 1º turno das eleições deste ano, as maiores transportadoras do Brasil se uniram em prol de uma importante iniciativa que tem como principal objetivo garantir o comparecimento de caminhoneiros nas urnas neste domingo, 30 de outubro. 

Por meio das redes sociais e comunicados internos, as gigantes do transporte confirmaram ao longo dos últimos dias, reduções das operações, replanejamento das atividades e concessão de folgas, principalmente ao quadro de motoristas, possibilitando assim o retorno para casa e o exercício do voto. A previsão é de que a parada dos caminhões comece nesta sexta-feira (28) e siga até o próximo domingo (30). Especula-se que o movimento conte com a participação de cerca de mil empresas do setor. 


A iniciativa também tem ganhado força através de aplicativos de trocas de mensagens e redes sociais, onde caminhoneiros autônomos e motoristas têm compartilhado uma série de mensagens, imagens e vídeos incentivando os colegas de profissão a retornarem para a casa e votarem neste segundo turno. 

De acordo com a atual legislação eleitoral e com o Ministério Público do Trabalho, o compartilhamento de mensagens de incentivo ao comparecimento às urnas bem como a concessão de folgas aos colaboradores com o objetivo de exercerem o direito ao voto não configuram crime eleitoral. Entretanto, a proibição de comparecimento é considerado crime eleitoral. Além disso, é vedado qualquer tipo de incentivo ou coação dos colaboradores para que votem em determinado candidato


Postar um comentário

0 Comentários