Seara terá frota de 200 caminhões 100% elétricos até 2023

Gladstone Campos/Seara

Com autonomia para 170 quilômetros, caminhões serão empregados na distribuição de produtos refrigerados e congelados; No Carbon será responsável pelo fornecimento dos exemplares

Google News
Reconhecida pela inovação e liderança em diversas categorias do mercado de alimentos, a Seara segue investindo na sustentabilidade das operações logísticas. Prova disso é a ampliação da frota de caminhões 100% elétricos refrigerados. Até de 2023, o número de veículos passará de 19 para 200 exemplares, todos fornecidos pela  No Carbon, nova empresa da JBS Novos Negócios especializada em locação de caminhões movidos a eletricidade.


Com autonomia para 170 quilômetros e capacidade para transportar até 4 toneladas de carga, cada exemplar deixará de emitir anualmente 30 toneladas de gás carbônico (CO2) na atmosfera. Equipados com baús frigoríficos, armazenando, simultaneamente, produtos resfriados e congelados, os novos caminhões serão empregados em atividades de distribuição. 


Nosso objetivo é ampliar cada vez mais o alcance de soluções logísticas sustentáveis e de baixo carbono. Por isso, temos como meta ter veículos elétricos em todas as regiões metropolitanas com Centro de Distribuição da Seara”, destaca Fabio Artifon, diretor de Logística da Seara. Pioneira na adoção de caminhões elétricos refrigerados, a marca já emprega os exemplares em operações de distribuição de produtos em Santa Catarina, São Paulo, Paraná e Distrito Federal. 

Com a chegada dos 200 caminhões 100% elétricos, a Seara estima uma redução de cerca de 6 mil toneladas nas emissões indiretas de CO2, o equivalente ao plantio de 45 mil árvores. O resultado expressivo é assegurado graças a substituição dos modelos a diesel pelos caminhões elétricos. “Com a entrada dos novos caminhões elétricos, viabilizamos a renovação da frota e apoiamos o nosso transportador parceiro sem que ele precise fazer o investimento de transição para uma frota de baixo carbono”, reforça Artifon. 


Além do menor impacto ambiental, os caminhões elétricos também se destacam pelo baixo custo de operação e manutenção. Os exemplares não possuem, por exemplo, filtro de ar, filtro de óleo, filtro de combustível, sistema de escapamento, correias, bico injetor, bomba de injeção e demais itens que fazem a manutenção de um veículo convencional custar até seis vezes mais do que o modelo elétrico. 

A ampliação da eletrificação da frota faz parte dos esforços da JBS para se tornar Net Zero em 2040, ou seja, reduzir as emissões de escopo 1 (diretas), 2 (indiretas em energia elétrica) e 3 (indiretas) e compensar toda a emissão residual.  

Postar um comentário

0 Comentários