Aumento no diesel preocupa o setor de transportes no Oeste do Paraná

Arquivo CNT

Os constantes aumentos no diesel, elemento vital para o transporte rodoviário de cargas, impactam diretamente os custos e as operações das transportadoras do Estado

Diante dos diversos reajustes realizados no valor dos combustíveis, os setores contribuintes para a economia brasileira precisaram se adaptar ao novo cenário. Segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), em sua última correção, o diesel ficou R$ 0,28 mais caro nas bombas, encarecendo quase 24% em 2021.

Um levantamento realizado pela Petrobras destacou que no decorrer do ano o preço do litro do insumo essencial para o transporte rodoviário de cargas (TRC) acumulou uma alta de 51% nas refinarias, impactando o preço a ser pago nas bombas de combustível. Segundo a ANP, o avanço na concentração oscila entre 36% para gasolina e 37% para o diesel, refletindo diretamente no segmento.


De acordo com o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística do Oeste do Paraná (SINTROPAR), Antonio Ruyz, o diesel é parte vital para as atividades das transportadoras, sendo responsável por cerca de 50% do faturamento das operações.

“Como [o diesel] é o nosso principal elemento de trabalho hoje, qualquer aumento impacta imediatamente os transportadores paranaenses, porque é preciso abastecer diariamente os caminhões. Os custos operacionais estão elevadíssimos e seguem subindo, de modo que ele acaba se tornando um grande vilão dentro do segmento”, explica Ruyz.
 
Um levantamento realizado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) apontou que mais de 60% de tudo o que é transportado no Brasil passa pelo modal rodoviário, que possui grande importância para a economia do País. Portanto, o presidente destaca que o segmento deve se manter atento e buscar novas soluções. “Até o momento, a elevação no preço do diesel ainda não comprometeu o escoamento. No entanto, o transportador hoje não consegue mais absorver todos esses aumentos que vêm ocorrendo na cadeia de transporte, seja no óleo diesel, na mão de obra, nos pneus ou na manutenção, o que nos leva a buscar novas alternativas”, aponta.


Atuando no TRC há mais de 15 anos, Eduardo Ghelere, diretor executivo da Ghelere Transportes, transportadora associada ao SINTROPAR, e suplente de diretoria do sindicato, ressalta que o aumento do combustível tem afetado diretamente o caixa das empresas.

“A demora na recuperação de tarifa aliada ao grande impacto do diesel no custo da operação fará talvez com que algumas empresas não tenham tempo de sobreviver a este período de alta. As transportadoras tendem a ser resilientes, pois têm custos flexíveis e se adaptam com facilidade, mas se tratando do principal insumo, se não for possível recompor rapidamente as tarifas, a conta chegará rápido”, alerta o executivo.

Pautada nos altos custos dos combustíveis, uma discussão que vem ganhando espaço e sendo apontada como alternativa para a situação é uma outra forma de calcular o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Foi aprovado em 13 de outubro pela Câmara dos Vereadores o projeto de lei complementar (PLP) que altera o modo como são feitas as cobranças dos combustíveis, com base no imposto.


Segundo a apuração mais recente da ANP, os tributos federais e estaduais correspondem a aproximadamente 40,7% do preço da gasolina, por exemplo, comprometendo boa parte do valor que será praticado nos postos. Ghelere destaca que apesar de a PLP trazer um reparo para o atual cenário, a solução para o real problema é muito mais complexa.

“No caso do diesel, o ICMS é um item importante, mas o cenário é bem maior que este. Convenhamos que é importante tratar deste tema e ter uma solução em definitivo, até porque os estados aumentaram a pauta de ICMS e tiveram arrecadação recorde em cima de um produto que é básico para o funcionamento de qualquer atividade. No entanto, essa alternativa não deve ser encarada como controle, e sim como alternativa para um problema que já vem incomodando há bastante tempo, que é a arrecadação desenfreada do estado”, ressalta.

O Paraná, assim como todos os estados do país, buscam alternativas e meios de conseguirem dar sequências em suas atividades, mesmo com os impostos aumentando cada vez mais. De acordo com o novo reajuste, a ideia do diesel se tornar calculável sobre dois anos, não apenas em 15 dias, pode promover uma redução nos custos das transportadoras e da sociedade.

FONTE: Divulgação

Postar um comentário

0 Comentários