Pesquisa revela que 59% dos caminhoneiros apoiam paralisação do transporte rodoviário de cargas

Realizada pela Fretebras, pesquisa contou com a participação de 2.023 caminhoneiros de todas as regiões e estados brasileiros

Uma pesquisa realizada no 21 de outubro, pela FreteBras, maior plataforma online de transporte de cargas da América do Sul, com 2.023 caminhoneiros da sua base de cadastrados, revelou que 59% dos entrevistados apoiam a paralisação do transporte rodoviário de cargas, marcada para o dia 1º de novembro. Questionados sobre o interesse em aderir às paralisações, 54% dos participantes se mostraram a favor. 

O estudo também identificou a possibilidade de adesão dos caminhoneiros nas diferentes regiões do Brasil. No Nordeste, 61% dos entrevistados afirmaram que vão parar as atividades. No Norte, 56% foram também a favor e no Sudeste, este número é de 55%. Já no Centro-oeste, a maioria (55%) afirmaram o contrário, que não vão participar das paralisações. Na região Sul, as opiniões estão divididas: 51% afirmaram que não vão aderir e 49% disseram que participarão.


Desinteresse por estados
De acordo com a Fretebras, o menor interesse em participar da greve foi registrado no Mato Grosso do Sul, estado em que 65% dos entrevistados afirmaram que não apoiam o movimento.

Em Goiás, são 54% os que afirmaram ser contra a paralisação, enquanto no Mato Grosso, este número é de 53%. Já no Paraná, no Distrito Federal e em Santa Catarina, 52% dos caminhoneiros dizem não ser favoráveis à greve.

No Rio de Janeiro, as opiniões estão divididas: 51% afirmaram que não vão aderir ao movimento e 49% disseram que vão parar as atividades.

"Nós sabemos o quanto a alta do diesel impacta o trabalho dos caminhoneiros e estamos comprometidos a ajudar os motoristas a melhorar o faturamento. Por isso, lançamos a nossa calculadora de custos, que ajuda eles a analisarem as despesas antes de negociar o frete e brigar por preços melhores. Com esse conhecimento em mãos, esperamos que os caminhoneiros consigam minimizar o impacto dos aumentos sucessivos no valor do diesel", afirma Bruno Hacad, Diretor de Operações da FreteBras.


Interesse por estados
Já o maior interesse em participar da greve foi registrado nos estados que compõem a região Nordeste. Destaque para o Ceará, onde 65% dos caminhoneiros foram favoráveis ao movimento e Pernambuco, com 61% de apoiadores. No estado baiano, 60% dos caminhoneiros afirmaram que vão deixar de trabalhar em novembro e na Paraíba, este número caiu para 53%.

Em São Paulo, 57% afirmaram que vão aderir à greve. No Espírito Santo e Rio Grande do Sul, 55% dos caminhoneiros disseram ser a favor da paralisação. Em Minas Gerais, os apoiadoras são também maioria, com 54%.

No Pará, 63% dos entrevistados da pesquisa disseram que pretendem parar de realizar suas atividades durante a greve de 1º de novembro.


Metodologia
O estudo foi realizado de forma anônima, no dia 21 de outubro de 2021, por meio de um questionário online com 2.023 respondentes. Eles ficaram divididos entre: 48% do Sudeste, 27% do Sul, 14% do Nordeste, 9% do Centro-Oeste e 2% do Norte. O estudo não representa a opinião da FreteBras sobre as movimentações. 

Postar um comentário

0 Comentários