IVECO A gente nao para

Caminhoneiro é indiciado pela morte de 8 pessoas em engavetamento na BR-277/PR

Mariano Gomes/147 News

40 pessoas também ficaram feridas no engavetamento que envolveu ao todo 22 veículos

O dia 2 de agosto de 2020, foi marcado por uma fatalidade na BR-277, em São José dos Pinhas, região metropolitana de Curitiba, Paraná. 22 veículos se envolveram em um engavetamento que deixou 40 pessoas feridas e causou 8 óbitos. 

Segundo as investigações da Polícia Civil paranaense, as condições de visibilidade eram muito ruins no momento do acidente em virtude da fumaça de um incêndio na região. O engavetamento se iniciou com a batida de cinco carros na pista sentido litoral. Com a piora visibilidade, um carro e uma motocicleta também bateram no mesmo local.

Devido as duas primeiras colisões, cerca de outros 10 veículos pararam sobre a pista e os ocupantes desceram para verificar o ocorrido. Logo em seguida, uma carreta, sem visibilidade, colidiu com os veículos parados no local, atropelando algumas vítimas. 


De acordo com o laudo oficial da perícia, trafegava pela pista da direita a 95 km/h. Ao notar os veículos parados sobre a pista, o motorista chegou a reduzir a velocidade para 75 km/h, mas não conseguiu evitar a colisão.

Ainda segundo o delegado Fábio Machado, todas as testemunhas ouvidas informaram que não havia, antes dos acidentes, qualquer tipo de sinalização no local informando a baixa visibilidade no trecho.

Diante dos fatos, a Polícia Civil paranaense confirmou agora que indiciará o motorista carreteiro por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. A decisão foi tomada em virtude das investigações confirmarem que ele trafegava acima do limite de velocidade da pista  no momento do acidente.

Funcionários de concessionária também serão indiciados
Além do motorista carreteiro, a Polícia Civil do Estado do Paraná também confirmou o indiciamento de quatro colaboradores da concessionária que administra o trecho rodoviário. De acordo com a corporação, os controladores e supervisores de tráfego da concessionária tinham total ciência da falta de visibilidade no local não tomaram medidas que pudessem impedir o acidente, como por exemplo a interdição do trecho.


Postar um comentário

0 Comentários