Estrela das Estradas


Casas Scania

IVECO A gente nao para

Documento Eletrônico de Transporte acabará com postos fiscais em rodovias

Em reunião com lideranças do setor de todo o país, Tarcísio Gomes de Freitas detalhou o impacto do documento eletrônico no dia a dia de autônomos, embarcadores e transportadores

Com a implementação do Documento Eletrônico de Transporte (DT-e) as sucessivas e longas paradas de caminhoneiros em postos fiscais para carimbar notas, estão com os dias contados. A novidade também promete acabar com a necessidade de caminhoneiros carregarem pilhas de documentos na boleia. 

Todos esses benefícios foram garantidos pelo Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, na última quinta-feira, 17 de junho, durante um encontro virtual com  representantes de caminhoneiros, embarcadores e transportadores envolvidos na logística do transporte de cargas, promovido pelo deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS), relator da Medida Provisória 1.501/2021, que institui o DT-e.

“O DT-e (Documento Eletrônico de Transporte) é a grande revolução do setor de transportes”, afirmou o Ministro “Teremos tudo no celular, e todo o processo ficará mais rápido e dinâmico”, reforçou.


Parte importante do Programa Gigantes do Asfalto, o DT-e irá simplificar, reduzir a burocracia e digitalizar a emissão de documentos obrigatórios. A expectativa é de que a plataforma tecnológica reduza custos do transporte no país, em todos os modos – a começar pelo rodoviário.


De acordo com Tarcísio de Freitas, as especificidades das diferentes cadeias produtivas e cargas – como fracionada, industrializada e de safra – deverão ser incorporadas, a partir de emendas, à MP. “Estabelecemos um ambiente de muita colaboração e diálogo, com apoio integral do relator da medida provisória, do setor produtivo, embarcadores, transportadores e caminhoneiros, que terão mais dignidade. Estão todos imersos em prol do DT-e. Estamos indo na direção certa para tornar o transporte mais efetivo, ágil e barato”, concluiu o Ministro.

Confira a declaração do Ministro:


Com informações: MInfra

Postar um comentário

0 Comentários