DNIT avança nas obras de duplicação da BR-280 em Santa Catarina

DNIT/Divulgação

Equipes da autarquia trabalham no lote 2.2 da rodovia catarinense

Técnicos do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) avançam na construção das Barreiras de Segurança, também conhecidas como Barreiras New Jersey. Os trabalhadores finalizam o acabamento das barreiras de segurança nas pistas que foram recentemente asfaltadas entre os km 51 e 54 – Lote 2.2. As barreiras estão sendo construídas com o auxílio de uma Pavimentadora de Fôrmas Deslizantes que produz cerca de 300 metros de barreira por dia.

Nas últimas semanas os técnicos também iniciaram as atividades de construção do elevado em frente ao Instituto Federal Catarinense – IFC Campus de Araquari – SC, nas proximidades do km 27. A base de concreto e os primeiros painéis pré-moldados já estão sendo instalados no local. O DNIT reforça que nesse local há tráfego intenso de veículos diariamente, por isso é imprescindível redobrar a atenção e respeitar a sinalização.

Túneis no Lote 2.2 
Nas últimas semanas foram desenvolvidos serviços de montagem de armadura, montagem de fôrmas e concretagens. Na imagem abaixo pode ser observado o sistema de fôrmas modulares que trabalham em cima de trilhos utilizado nas atividades construtivas internas dos túneis. Esse sistema foi desenvolvido para se adaptar a diversas aplicações que necessitem de grande capacidade de carga, mais comuns em construção pesada, e a grande vantagem é a sua versatilidade e fácil adaptação.


Etapas da Supressão de Vegetação 
Para todas as etapas da supressão da vegetação, há procedimentos a serem seguidos. A partir deles, pode-se ter controle sobre as atividades da obra, além de evitar que áreas maiores do que as necessárias sejam degradadas. Para que a supressão da vegetação ocorra de forma segura e dentro dos requisitos da Autorização de Supressão de Vegetação (ASV), é feita a delimitação da área a ser desmatada, com fita zebrada. Assim, evita-se que APPs, áreas alagadas e áreas com declividade acima de 45º, por exemplo, sejam atingidas e consequências ambientais sejam causadas. Os trabalhadores são sempre supervisionados por um responsável pela atividade.  

Após a supressão da vegetação, a limpeza da camada vegetal é executada por uma pá mecânica, a qual é operada por trabalhadores capacitados e responsáveis por manter a lâmina da pá a uma altura constante do chão, dependendo do relevo e variação do terreno, não retirando mais do que a camada necessária de material.

Depois de finalizada a limpeza do terreno, é necessário que as lenhas cortadas, chamadas toras, sejam organizadas e empilhadas para que sua cubagem e contagem seja feita. A partir dessa sequência, é possível contabilizá-las e manter controle sobre a produção do material retirado.

FONTE: DNIT

Postar um comentário

0 Comentários