Caminhoneiros terão que apresentar teste negativo de Covid-19 para entrar na Argentina

Divulgação
A partir desta quarta-feira, 14 de abril, todos os caminhoneiros que desejarem ingressar na Argentina e não forem residentes no país, terão que apresentar nas fronteiras um teste negativo de Covid-19 (Coronavírus). A determinação consta na Decisão Administrativa nº 342 do Ministerio de Salud da Argentina, publicada logo uma nova onda de contaminações no país, provocada principalmente pela variante brasileira do Coronavírus.

De acordo com o documento, somente o exame do tipo RT-PCR será aceito, além disso, deverá ser realizado em até 72 horas antes de atravessar a fronteira e constar na Declaração de Migração. Na América do Sul, o Chile também já estabeleceu a mesma exigência. 

Na avaliação da Associação Brasileira de Transportadores Internacionais (ABTI), a nova exigência do governo argentino poderá acarretar uma série de novos problemas logísticos, inclusive um colapso nas principais fronteiras entre os dois países.

"É inevitável o agravamento da situação com um possível colapso nas fronteiras do Brasil, como Dionísio Cerqueira, Foz do Iguaçu, São Borja e, principalmente, Uruguaiana, que possui o maior fluxo de veículos com esses destinos. Haverá represamento de cargas de exportação, e por consequência o ingresso de importações, e um aumento considerável de custos logísticos, não somente relacionados ao custo dos testes, mas também aos tempos ociosos em fronteira aguardando os resultados. Além disso, deve ser considerado o mal-estar e desconforto dos tripulantes que deverão submeter-se a mais este desafio, dentro de tantas restrições impostas e discriminações que vêm sofrendo desde o início da pandemia", destaca em nota. 


ANTT solicita prorrogação da exigência
Na manhã desta quarta-feira, 14 de abril, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), através da Assessoria de Relações Internacionais (ASINT), encaminhou ao Ministério de Transporte da Argentina, um relato de preocupação com a nova exigência para o transporte rodoviário de cargas internacional. 

No documento, o órgão também  solicita ao Ministério do Transporte da Argentina que prorrogue por 15 dias a entrada em vigor da determinação, para que o setor tenha tempo suficiente para os devidos preparativos e ajustes para atender às novas exigências.

Com informações: ABTI

Postar um comentário

0 Comentários