Publicidade

Tora investe R$ 30 milhões na expansão das operações no mercado de contêineres e logística multimodal

Diego Filipe Mattos Camargos

Empresa implantou filial no porto do Pecém, no Ceará, com meta de triplicar a movimentação de cargas no local ainda neste ano

Com o objetivo de expandir a atuação na logística integrada de contêineres e na multimodalidade, cumprindo processo de diversificação de negócios, a TORA confirmou um investimento de  cerca de R$ 30 milhões na ampliação de estruturas, implantação de novas filiais e aquisição de máquinas. O investimento significativo vai de encontro com o pleno desenvolvimento do setor. De acordo com levantamento da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), 160 milhões de toneladas de cargas foram transportadas por cabotagem de janeiro a outubro de 2020 no país.

A inauguração, no fim do ano passado, de uma filial no porto do Pecém, na região metropolitana de Fortaleza (CE) é um dos grandes destaques da estratégia expansão da TORA. Agora em 2021, a empresa planeja triplicar a quantidade de contêineres transportados no local. "Já atuávamos na Bahia, Sergipe, Alagoas e Pernambuco e agora entramos em mais um estado do Nordeste, com ótimas perspectivas de crescimento", afirma o diretor comercial da Tora, Márcio Medina. 

No local, o trabalho da TORA consiste na complementação dos serviços realizados pelas empresas de cabotagem e ferrovia por meio do modal rodoviário, responsável pela coleta dos contêineres vazios, transporte até o cliente, carregamento e retorno ao porto. "Estamos cada vez mais trabalhando para atender as demandas de novos modais de transporte, o que nos consolida como um operador multimodal (OTM)", declara Medina. Segundo o executivo, para isso, a Tora tem feito parcerias com empresas de cabotagem, navegação e ferrovias.


Um dos parceiros é a Log-In Logística Intermodal, empresa que opera navegação de cabotagem, movimentação portuária e soluções logísticas customizadas, com a qual a Tora já opera a cabotagem de contêineres nos portos de Santos e Salvador desde o início do ano passado e agora no porto do Pecém. "Nossa estratégia é oferecer aos clientes uma solução porta a porta: além da navegação de cabotagem, também dependemos do modal rodoviário para fazer a coleta no remetente e a entrega da carga ao destinatário. A Tora presta um serviço que preza pela segurança, pela excelência no atendimento, respeito ao cliente e está sempre antenada às novas tecnologias, valores compartilhados também por nossa empresa. Sem dúvida, é uma parceria que tem potencial para ser ampliada nacionalmente", afirma Felipe Gurgel, diretor de Atendimento da Log-in.

De acordo com o executivo, a Log-In atende os principais portos ao longo da costa brasileira e possui clientes que demandam a operação por cabotagem. "Esse é um modal promissor, uma vez que o país possui mais de 8 mil quilômetros de costa navegável. É também mais sustentável, pois possibilita uma redução significativa nas emissões de gás carbônico no transporte por caminhões a longas distâncias, e mais seguro, em função dos trechos rodoviários serem mais curtos. Por isso, precisamos promover a utilização de modais mais adequados a cada logística demandada pelo cliente. Em distâncias mais longas, que ficam próximas ao litoral, por exemplo, o transporte marítimo de cargas entre portos nacionais pode ser mais eficiente", acrescenta Gurgel.

Incentivo a cabotagem no Brasil
No fim de 2020, foi aprovado pela Câmara dos Deputados o projeto de lei (PL 4.199/2020), também conhecido como "BR do Mar", que tem como objetivo estimular o transporte pelo modal marítimo. Agora em discussão no Senado, a proposta é transformar a costa brasileira num verdadeiro ponto de transporte por cabotagem. Entre as metas do Ministério da Infraestrutura, por meio do PL, está a ampliação da carga anual de contêineres transportados de 1,2 milhão de TEUs (movimento em 2019) para 2 milhões de TEUs em 2022. Também prevê incrementar em 40% a capacidade da frota marítima dedicada à cabotagem nos próximos três anos.

Com informações: TORA
Caminhões e carretas

Postar um comentário

0 Comentários