Publicidade

Aumento no preço do aço prejudicará indústria de implementos

Randon/Divulgação
Os significativos aumentos no preço do aço podem prejudicar diretamente a indústria brasileiras de implementos rodoviários. É o que alerta a Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos (ANFIR).

“O aço teve aumento superior a 86% em 2020 e a maior parte desse custo não foi repassado ao cliente final”, diz Norberto Fabris, presidente da entidade. “O País está saindo do quarto ano de crise e não tem cabimento aumentar preço de matéria prima. Isso vai quebrar o ritmo de recuperação e vamos retroceder”.

Na avalição de Fabris, o reajuste significativo no valor da matéria prima ocorre em um momento inoportuno. O aço tem uma participação na produção de nossos produtos de até 70%. Não temos condições de absorver esse custo e seremos diretamente prejudicados”. alerta o executivo.

Atualmente a indústria de implementos rodoviários opera com carteira de cobrança não indexada, ou seja, os valores são fixos. Indexar a carteira é uma prática onde quem vende protege seus ganhos contra eventuais flutuações de mercado, como reajustes de matérias-primas, repassando ao cliente esse custo. “Como não dá para repassar aos clientes, os aumentos serão absorvidos pelos fabricantes o que em termos práticos quer dizer que o reajuste vai prejudicar à saúde financeira das empresas”, explica.


O executivo lembra ainda que durante os quatro anos de crise – três de retração na atividade econômica e um causado pela pandemia - as empresas do setor tiveram que absorver parte desse custo, reduzindo suas margens por produto. “Reajustar valores nesse momento vai provocar parada forte no mercado porque os clientes não têm condições de pagar por esse aumento”, diz.

Ainda segundo o presidente da entidade, o impacto negativo não se restringirá a indústria. “A situação do transportador também é complicada porque o valor do frete está estagnado o que impede o repasse de eventuais aumentos aos clientes, “explica e completa: “Portanto, essa conta será dividida entre fabricantes e transportadores que poderão ser financeiramente prejudicados”, afirma.

“Nesses quatro anos a indústria teve que fazer inúmeros sacrifícios para se manter competitiva e atuante”, recorda. “Nossa constante preocupação é com o preço final do produto e o aumento do aço poderá acarretar em aumento significativo. O reajuste inoportuno é a pior notícia que poderíamos receber em meio a recuperação”, conclui Fabris.

Com informações: ANFIR

Postar um comentário

0 Comentários