Traseira alta: O que diz a lei?

Pjpianaro
Na última semana, a apreensão do caminhão de um youtuber e caminhoneiro, reacendeu uma antiga discussão e polêmica do transporte rodoviário de cargas brasileiro. Dentre as diversas irregularidades flagradas pelos agentes da PRF (Polícia Rodoviária Federal) na Bahia, destaca-se, a traseira com quase 2 metros de altura.


A rápida repercussão do caso gerou uma onda de comentários e debates entre defensores da prática e profissionais que prezam pela originalidade do veículo. Além disso, a própria página da corporação foi alvo de uma série comentários e críticas à ação dos agentes.

Sob a justificativa de garantir maior estabilidade aos veículos e/ou apenas por estética, a elevação da traseira de caminhões e implementos, por meio da adição de molas, calços ou alongamento de bolsas de ar, se tornou uma prática comum entre diversos caminhoneiros ao longo da última década.


Mas afinal, o que diz a lei?
Com o objetivo de regulamentar as alterações na suspensão de veículos de carga, sem abrir mão da segurança viária, o Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) publicou em março de 2014, a Resolução nº 479.

Além da tentativa de coibir as modificações exageradas, como no caso do caminhão apreendido na Bahia, ao estabelecer os limites legais de altura, o documento garante segurança ao próprio condutor do veículo e demais usuários das vias públicas.

De acordo com a redação da Resolução nº 479, os veículos de carga com PBT (Peso Bruto Total) acima de 3.500 kg poderão ter a traseira elevada em apenas 2 graus, o que representa cerca de 3,5 centímetros (35 mm) para cada metro de comprimento do veículo. Ou seja, a diferença de altura entre dois pontos do chassi (X e Y), separados por 1 metro (1.000 mm) de comprimento, não poderá ser superior a 3,5 cm (35 mm), conforme exemplo abaixo:
Contran/Divulgação

Além disso, a Resolução nº 479 também determina uma altura máxima de 1,20 metros em relação ao solo para as lanternas traseiras, e 1,50 metros para as lanternas laterais.

Legalização
Ainda segundo o documento, todos os veículos de carga que tiverem a suspensão modificada, deverão passar por inspeção no Inmetro e inserir no campo das observações do Certificado de Registro de Veiculo (CRV)e do Certificado de Registro e Licenciamento de Veiculo (CRLV) a nova altura.

Rebaixamento da dianteira
A Resolução nº 479 também proibiu outra prática comum entre os entusiastas de caminhões de caminhões modificados, o rebaixamento da suspensão dianteira.

De acordo com a redação do documento, desde 2014 está proibida qualquer modificação na suspensão dianteira, exceto para instalação do sistema de tração e para incluir ou excluir eixo auxiliar, direcional ou auto direcional. Ou seja, a retirada de molas, calços, substituição de eixos pelo de outros modelos e a inclusão de bolsas de ar passou a ser considerado ilegal.

Confira na íntegra a Resolução nº 479: CLIQUE AQUI


TEXTO:
Lucas Duarte

Postar um comentário

2 Comentários

  1. caminhão cara chata já é perigoso numa batida frontal , imagina com a carga toda empinada pra frente ....

    ResponderExcluir
  2. É o cara ser muito babaca pra fazer uma merda dessa. Os engenheiros estudam anos,quebram a cabeça com cálculos pra fazer o projeto...aí vem um animal que nunca abriu um livro pra ler,e acha que o projeto ta errado e que tem que ser modificado,colocando a vida das pessoas em risco nas estradas.

    ResponderExcluir

Nunca publique suas informações pessoais, como por exemplo, números de telefone, endereço, currículo etc. Propagandas, desrespeito ou ofensas não serão toleradas nos comentários.