Produção de caminhões encerra primeiro trimestre com leve recuo

Volvo/Divulgação
Refletindo os primeiros impactos da pandemia de COVID-19 (Coronavírus), a produção brasileira de caminhões encerrou o primeiro trimestre de 2020 registrando um leve recuo em relação ao mesmo período de 2019. Os números são confirmados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

De acordo com o balanço oficial da entidade, no primeiro trimestre de 2020 foram produzidos 24,7 mil caminhões em todo o país, leve queda de 0,2% em relação ao mesmo período de 2019, quando foram produzidos 24,8 mil caminhões. 

Somente no mês de março foram produzidos 8,4 mil caminhões no Brasil, queda de 7,9% em relação a fevereiro. Entretanto, em relação a março de 2019, quando foram produzidos 8,3 mil caminhões, a indústria brasileira registrou um leve crescimento de 1,0%.

Já a comercialização de caminhões no Brasil também recuou no primeiro trimestre de 2020. De acordo com a Anfavea, foram comercializados 6,4 mil caminhões no último mês, queda de 15,3% em relação a março de 2019, quando foram comercializados 7,6 mil caminhões no país. No acumulado do primeiro trimestre de 2020, os emplacamentos de caminhões novos totalizaram 20,1 mil unidades, queda de 6,2% em relação ao mesmo período de 2019, quando foram comercializados 21,6 mil caminhões em todo o país.



Os números negativos são justificados pela interrupção da produção e comercialização de caminhões nos últimos dias de março, em virtude das medidas de isolamento social, afim de evitar a expansão da pandemia do Novo Coronavírus.


Segundo Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea, a queda nas vendas em março projeta um resultado altamente preocupante para abril. “O momento é de priorizar a saúde da população, e todas as nossas associadas estão dando sua contribuição no combate ao coronavírus, seja reparando respiradores, seja produzindo e doando máscaras, ou mesmo cedendo suas frotas vários para as mais diversas finalidades. Mas também é hora de uma conscientização de todas as esferas do governo, bancos e sociedade para criar mecanismos que permitam à cadeia automotiva atravessar esse período de retração com a preservação das empresas e dos empregos”, alertou Moraes.

Confira na íntegra os números da Anfavea: CLIQUE AQUI


TEXTO: Lucas Duarte

Postar um comentário

0 Comentários