Ministro da infraestrutura anuncia medidas para acabar com atravessadores de frete

Alberto Ruy/Ascom Infraestrutura
Em audiência na Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados, o Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, apresentou na última semana as principais demandas da pasta e soluções que estão sendo estudadas e implementadas afim de mitigar os problemas que vêm sendo enfrentados pelos caminhoneiros em todo o país. 

Na avaliação do ministro, a categoria é fundamental para o crescimento econômico do país. "É uma categoria importante que transporta riquezas e é um problema extremamente complexo e difícil de resolver", destacou o ministro sobre a atual situação do transportadores. 

Durante a audiência, o Ministro da Infraestrutura destacou o excesso de oferta de transporte no mercado frente a baixa demanda. "... Observem, por que o caminhoneiro hoje não consegue sobreviver? Porque sobra oferta", comentou. Para o Ministro a solução definitiva passa pela retomada do crescimento econômico. 

Ainda segundo ministro, todos têm razão na discussão sobre os assuntos relacionados aos caminhoneiros, tanto os embarcadores quantos os próprios autônomos. "O embarcador tem razão quando diz que paga muito caro no frete. Paga mesmo, o frete é caríssimo", destacou. "E o caminhoneiro tem razão quando diz que ganha pouco. Ganha pouco mesmo", completou. 

Para o Ministro, essa divergência de valores acontece em virtude do número elevado de atravessadores. "Se o caminhoneiro ganha pouco e o embarcador paga muito, onde está o dinheiro? Está ficando no meio do caminho. Está ficando na quantidade enorme de atravessadores que a gente tem neste processo", comentou. 

Segundo Freitas, a solução para mitigar os atuais problemas enfrentados pelos caminhoneiros passa pela redução da burocracia do segmento de transportes, o que inclui a redução do excesso de atravessadores e do número significativo de documentos exigidos para a realização da atividade. 

Dentre as medidas que já estão sendo implementadas pelo Governo Federal, o Ministro da Infraestrutura destacou o Documento Eletrônico de Transporte (DTE), que será testado agora no mês de abril no Espírito Santo. Além de unificar a documentação do transporte, a medida tem como principal objetivo facilitar a vida do caminhoneiro e eliminar o atravessador do processo. 

"A nossa ideia é diminuir atravessadores, usar a tecnologia da informação para conectar o transportador e o embarcador, acabando com os intermediários no processo, destacou o Freitas. 

O Ministro destacou ainda o fomento das cooperativas, que garantem aos caminhoneiros os benefícios da Pessoa Jurídica, como por exemplo, a desoneração de folha, redução de tributos e a possibilidade de compra coletiva. 

Por mim, o Ministro da Infraestrutura destacou ainda que os próximos modelos de concessões rodoviárias contarão com a exigência de construção de pontos de parada, afim de garantir aos caminhoneiros um local de descanso adequado, com infraestrutura necessária e segurança. "Isso vai diminuir o número de acidentes, porque quando ele não tem isso, ele tem pressa de chegar ao destino, ele não descansa, ele vai dirigir com sono e isso causa acidente na rodovia. Então postos de parada são fundamentais e nos vamos trazer isso primeiro para as rodovias em concessão", revelou Freitas.

 "A ideia é estar constantemente trabalhando em medidas que possam ajudar a melhorar a condição de vida desse profissional do volante, que para nós, para a nossa economia é muito importante e com quem a gente tem um respeito muito grande", concluiu o ministro. 

Confira na íntegra a declaração do Ministro: 
TEXTO: Lucas Duarte

Postar um comentário

2 Comentários

  1. Acho q o vilão do frente hj é o icms de frente acabando com esse imposto seria uma grande Vitória pra classe aki no Pará esse icms so servi de propina pra atravessadores e fiscaL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ICMS é um imposto estadual, nada eles podem fazer, a não ser os governadores dos estados...

      Excluir

Nunca publique suas informações pessoais, como por exemplo, números de telefone, endereço, currículo etc. Propagandas, desrespeito ou ofensas não serão toleradas nos comentários.