Amaggi avalia compra de até 500 caminhões para a safra

O tabelamento do frete estabelecido pela Medida Provisória 832/2018 e transformado em lei recentemente após sansão do Presidente Michel Temer, segue causando grande polêmica nos setor produtivo brasileiro, especialmente no agronegócio. 
Nesta semana, em entrevista ao portal Valor Econômico, a Amaggi, maior empresa de comercialização de grãos nacional, revelou um possível investimento em uma frota própria de caminhões após o governo federal impor uma tabela de preços pré-fixados para o frete rodoviário. 
Segundo Judiney Carvalho, CEO da Amaggi, a empresa avalia uma compra entre 300 e 500 conjuntos novos já para esta safra. Ainda segundo a Amaggi, atualmente são necessários cerca de 5 mil caminhões para operar em toda a cadeia - entre fazendas e armazéns, fábricas de processamento e portos por onde o produto é exportado.
"A safra 2018 ainda tem muita coisa pra ser comercializada. E era pra gente já estar comercializando a safra 2019. Na verdade, a coisa toda parou no agronegócio", afirmou o executivo. "Em geral, as tradings começam as compras de grãos da safra seguinte em maio e junho", completa.
Ainda de acordo com a Amaggi, os novos caminhões serão empregados inicialmente em rotas consideradas mais importantes para a companhia. Caso o tabelamento do frete seja mantido, a empresa dará continuidade na aquisição e ampliação da frota em 2019.  "Vai ser a dor do parto entrar num setor que a gente não domina. Vamos ter que apanhar um pouco, como tudo no começo", ressalta o executivo. 
Para cada conjunto, a empresa estima um investimento de R$ 550 mil a R$ 600 mil.

TEXTO: Lucas Duarte
Com Informações: Valor
Blog Caminhões e Carretas 
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

10 comentários:

  1. O setor de transporte em geral esta abandonado pelos governantes e infelizmente chegamos nesse caos; combustíveis a preços absurdos, impostos gigantescos e para o setor de grãos vai mais longe. Alem de enfrentar todas essas situações ainda tem o descaso, falta de apoio e investimento. Os executivos são grandes heróis por acreditar e conseguir investir no agro negocio com todas essas divergências.

    ResponderExcluir
  2. Acredito que por mais alto que seja o aumento do frete não é viavio a compra de uma quantia desta de caminhão para escoar a safra própria da empresa Amaggi, pagar o frete sai mais barato !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Asusta eles não amigo,,tô no ramo d caminhão a quase 30 anos ,,só dor d cabeça ,,, quero v arrumar mão de obra qualificada pra tudo isso ,,

      Excluir
  3. Só se eles forem construir os próprios caminhões pois a demanda de entrega de novos ja está para março de 2019....muito papo, vão pagar o frete e pronto chega do caminhoneiro trabalhar no vermelho...valorizem a classe.

    ResponderExcluir
  4. Eu gostaria muito de uma oportunidade nessa empresa viu, moro aqui em Minas, mas tenho total disponibilidade para deslocamento e viagens por todo Brasil.
    (31)99284-7319

    ResponderExcluir
  5. Essa intenção é em represália aos caminhoneiros.
    É só os caminhoneiros darem o troco. Pedir R$ 10.000,00 de salários, com registro na CTPS.

    ResponderExcluir
  6. tão é com medo esses 500 caminhão nem vai fazer cocegas nos autônomos como são burros eles mesmo falam que vão precisar de 5 mil caminhões para exportar a safra

    ResponderExcluir
  7. estão achando que vão conseguir manter motorista com salario de 2,500 só se for trouxa mesmo,

    ResponderExcluir
  8. sao manobras administrativas para o setor da agro industria eu faria assim desta forma tambem usaria o setor em questao para levantar 600.000.000,00 do banco central aprensetaria a frota ou seja os documentos de posse em questao de trocas a longo prazo e parcelaria a divida com outra montadora do setor de pesados e ficaria com 93% dos valores para investir em obras de estatais do proprio governo fizeram isso pode crer nao é fora da lei ser uma manobra inteligente so isso.

    ResponderExcluir
  9. Eu trabalhei puxando soja da roça para o silo na Amaggi na Vale do Boi ,eles tem experiência com frota própria ,estão jogadas as caçambas que compraram anteriormente se acabando , esse ladrão esta acabando com os pequenos produtores ,impostos sobre impostos no Mato Grosso para o produtor , acho que somente não para ele , os pequenos não aguentam e vendem pra ele ,uma forma moderna de grilar ,quebrando os pequenos FDP. vai se ferrar comprando caminhão ,mesmo novo , vai aprender quanto custa manter .

    ResponderExcluir