Projeto de lei permite que jovens de 18 a 21 anos se tornem motoristas carreteiros nos Estados Unidos

Com o objetivo de reduzir a crescente e preocupante escassez de caminhoneiros nos Estados Unidos, dois deputados norte-americanos apresentaram recentemente um projeto de lei que permite jovens de 18 a 21 anos realizem viagens interestaduais em caminhões e carretas.  

LEIA: Falta de caminhoneiros será o principal desafio dos Estados Unidos nos próximos anos
LEIA: Falta de caminhoneiros deve afetar custos de frigoríficos nos Estados Unidos 

O projeto de lei que é patrocinado pelo Representante Estadual do Estado da Califórnia, Duncan Hunter e pelo Representante Estadual do Estado de Indiana, Trey Hollingsworth, tem objetivo substituir a atual lei federal que proíbe motoristas profissionais com menos de 21 anos de transportarem cargas para fora dos estado em que foram habilitados. 
Caso seja aprovado e colocado em prática, o projeto de lei permitirá que motoristas profissionais com idades entre 18 e 21 anos trabalhem como caminhoneiros, assim como os motoristas mais experientes cada vez mais escassos no mercado de trabalho norte-americano. 
"O transporte não é capaz de competir com outras profissões para atrair talentos mais jovens devido às restrições arbitrárias de idade que foram postas em prática em 1937", disse Donald Lefeve, diretor executivo da Commercial Vehicle Training Associations.
Segundo Duncan Hunter, os jovens têm potencial para realizar a função e é necessário acreditar e apostar em sua força de trabalho. "Se você tem idade suficiente para se juntar ao Corpo de Fuzileiros Navais, você pode obter o treinamento para se tornar um caminhoneiro, disse Hunter ao The Washington Post. "Acho que devemos esperar mais da nossa geração mais jovem, não menos", completou.
Além do apoio de representantes estaduais, o projeto de lei também é visto com bons olhos por diversos líderes da indústria. Segundo eles, a inclusão de jovens motoristas em caminhões não só ajudará a resolver a crescente escassez de motoristas de caminhões, mas também poderá “expandir o pool de talentos” e ajudar os empregadores a manter os custos baixos.
Em contrapartida algumas instituições norte-americanas se posicionaram contra a formação de jovens de caminhoneiros. Segundo Henry Jasny, vice-presidente e conselheiro geral da Advocates Highway and Auto Safety, permitir que jovens condutores cruzem as divisas dos estados pode levar a uma situação potencialmente perigosa. "Os jovens condutores têm taxas de acidentes mais elevadas", destacou. 
Para driblar as alegações de insegurança, o projeto de lei estabelece uma supervisão extra, que inclui câmeras de vídeo, freios automáticos e um limite de velocidade de 65 mph (104 km/h) para motoristas entre 18 e 21 anos. A nova lei também exige que jovens motoristas registrem 240 horas direção acompanhados de um motorista experiente no banco do passageiro, bem como 400 horas de condução em serviço, antes de obterem a licença para a realização de viagens interestaduais.
"Precisamos envolver os jovens em uma estrutura segura", disse o presidente executivo da Dot Foods, John Tracy, que emprega cerca de 1.300 caminhoneiros em todo o país. “Isso nos ajudará a aumentar a oferta de motoristas, além disso os jovens receberão mais treinamento e contarão com tecnologias mais seguras”, completou o executivo. 
Atualmente o projeto de lei encontra-se em análise pelo poder legislativo norte-americano, em seguida será encaminhado a um comitê especializado.

TEXTO: Lucas Duarte

Blog Caminhões e Carretas 
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário