Federação prevê 2018 com mais caminhões nas estradas

A expectativa da Federação Interestadual dos Transportes Rodoviários Autônomos de Cargas e Bens da Região Nordeste para 2018 é de mais caminhões nas estradas. “Graças a Deus, de outubro para cá, nós começamos a vislumbrar um novo Brasil, com a economia se recuperando, as pessoas comprando mais e naturalmente, o setor transportando mais”, afirmou o presidente da FECONE, Eduardo Oliveira.
Ele lembrou que em 2017 a crise econômica chegou ao ponto de inviabilizar a exigência dos órgãos públicos, sobretudo da presidência da República, da questão de valores do diesel, pela queda ao fundo do poço, isso não só em relação ao setor de transportes, mas a vários outros. A chegada do novo ano, portanto, renova as esperanças em torno do aprofundamento desse debate.
Maior dificuldade
Para Eduardo, a maior dificuldade enfrentada em 2017 foi, sem dúvida, a recessão, pois não houve cargas para transportar.  “Antes, eu saía de João Pessoa (PB) para Petrolina (PE), tinha que dormir ou em Monteiro ou sair daqui e dormir em Salgueiro para chegar ao destino, mas no período de julho a setembro passado cheguei a sair direto para Petrolina, porque encontrei a estrada livre, sem carros para ultrapassar”, testemunhou.
Segundo ele, a expectativa otimista do setor gira em torno da aprovação do marco regulatório do transporte de cargas, matéria que está na Comissão Especial da Câmara dos Deputados, vem sendo acompanhada de perto pela FECONE e pela CNTA e irá melhorar as condições do trabalhador autônomo na questão dos seus direitos, como a hora parada e postos diferenciados com valores diferenciados para o diesel do caminhoneiro.
“Mesmo bastante jovens, com apenas sete e quatro anos de existência, essas duas entidades representativas já avançaram muito, mas não ainda o suficiente para alcançarmos todas as necessidades, mas caminhamos firmes para conquistar os espaços possíveis para o trabalhador autônomo”, concluiu.
FONTE: Divulgação 
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário