Postos de combustíveis preparam protesto em todo país contra reajuste de imposto

O aumento de impostos sobre os combustíveis que entrou em vigor nessa sexta-feira (21) segue causando revolta e reações nos brasileiros. A alíquota do PIS/Cofins que praticamente dobrou, provocou um aumento de R$ 0,41 no litro da gasolina e R$ 0,21 no litro do óleo diesel. 
Insatisfeitos com a decisão do governo e com a repercussão negativa que trouxe para as revendas, donos de postos de todo o país estão um protesto contra a decisão do Governo Federal. A estratégia foi acertada durante encontro, em Vitória (ES), dos presidentes dos Sindipostos estaduais.
Inicialmente a ideia é colocar faixas pretas nas bombas de combustíveis para caracterizar o ‘luto’ pela decisão. A data do protesto ainda não foi definida, mas a expectativa é de que ocorra nos próximos dias, em todo o país. 
A manifestação tem como objetivo evitar que as revendas saim "vilões" do aumento do preço dos combustíveis. 
Nas primeiras horas de ontem (21) postos de todo o país começaram a comprar combustíveis com a nova tributação sendo obrigados a repassar o aumento de impostos ao consumidor final. 

Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

3 comentários:

  1. ESSES PROTESTINHOS DE MERDA COM FAIXINHAS NÃO ADIANTA DE NADA!!! OS DISTRIBUIDORES E POSTOS TÊM É QUE SONEGAR ESSE MALDITO IMPOSTO E/OU PARAR OS CAMINHÕES TANQUES DE VEZ!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo contigo.Eles dizem que não concordam, mas foram tão rápidos em aumentar os preços que dá até para desconfiar.

      Excluir
    2. Caro Loiva, só pra tentar te esclarecer, qdo vc trabalha com um produto que te da uma margem média bruta de 12%,e que grande parte dessa margem tem que honrar seus compromissos de pagamento de funcionarios, fornecedores, entre outros , e o pior, os benditos impostos, não tem como voce não repassar o aumento, pois a grande maioria dos postos trabalham com os estoques baixos.Assim como os consumidores, nós tbem somos "pegos" de surpresa com esse e outros malditos aumentos.

      Excluir