Defasagem do frete rodoviário chega a 24,83%

Uma pesquisa nacional realizada pela Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística), em colaboração com a Agência Nacional de Transportes Terrestre (ANTT) revelou dados alarmantes sobre a situação econômica do transporte rodoviário de cargas no Brasil. 
Destaca-se na pesquisa uma queda significativa no faturamento do setor. Em 84% das empresas pesquisadas, o faturamento de 2016 caiu em média 19,13%. A queda maior foi para as empresas de lotação, nas quais atingiu 87% delas.
Dentre os fatores que contribuíram para a queda no faturamento estão, o aumento nos custos (salários 8,72%, combustível 4,25%, despesas administrativas 9,20%, manutenção 6,58%, veículo 5,61%, e a lavagem 8,40%), a redução drástica do volume de carga, provocada pela grande recessão dos últimos dois anos, quando a queda do PIB deverá ultrapassar a casa dos 7%. E por fim o grave aumento no roubo de cargas, o que obrigou as empresas a investir em soluções para combate a prática ou pelo menos minimizar o número de ocorrências. 
Além disso a pesquisa revela ainda que o crescente atraso no pagamento do frete (14,90% segundo a pesquisa) também afetou o faturamento das empresas de transporte.
Outro dado alarmante revelado pela pesquisa é a grave defasagem no valor do frete praticado atualmente. Em cargas de lotação a defasagem alcançou 24,83% e 11,77% em cargas fracionadas. 
Em nota, a NTC&Logística explicou que estas defasagens foram calculadas comparando-se os valores das planilhas referenciais de custos da própria entidade, que não incluem impostos e margem de lucro, com os fretes médios praticados pelas empresas pesquisadas.
Levando em consideração as margens estreitas de lucro praticadas pelas empresas, a NTC&Logística considera a situação vivida pelo transporte como insustentável. A entidade alerta ainda para um grave risco de um colapso no setor de transportes, que é uma atividade essencial para a economia e para a sociedade brasileiras. Segundo a nota a única forma de evitar essa situação é que seja feito de imprescindível e urgente um realinhamento dos fretes praticados, acompanhado da necessária cobrança dos demais componentes tarifários que compõem o transporte. 

Confira na íntegra o comunicado da NTC&Logística: CLIQUE AQUI

TEXTO: Lucas Duarte
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

2 comentários:

  1. Bando de burros, ao invés de todos cooperarem entre si para a criação de valores padronizados do frete, para não perderem dinheiro, aceitam ser explorados por miséria. Por isso que os brasileiros são vistos no exterior como o povo mais trouxa que existe, por que paga mais de 100.000 em um Toyota Corola "peladão", mal-equipado, nada mais é que um carro popular em outros países; aceitam trabalhar por miséria (caso desses caminhoneiros sendo que a maioria não sabem nem fazer contas para calcular se vai ter lucro em uma viagem), aceitam um governo corrupto que o rouba todos os dias, aceitam tudo como cordeirinhos. Neste exato momento eu queria estar no lugar do Marcos Tenere (do canal Vlog18Rodas no YouTube), porque lá nos EUA o caminhoneiro tem lucros e é tratado como gente, não como esse chiqueiro que chamam de país.

    ResponderExcluir