Frete de grãos cai mais de 20% no país, em Mato Grosso média é de 23%

Só para se ter uma ideia, o valor praticado entre Sorriso e Santos, no final de outubro do ano passado, era de R$ 317,22. E agora está em R$ 243, uma queda de 23%. A situação dos transportadores está complicada, principalmente em Mato Grosso, onde as trandings estão com os pátios vazios.
Samuel da Silva Neto, economista da Esalq/Log, explica que são muitos os fatores que interferem no agronegócio e, por consequência, no transporte de grãos. “Historicamente, quase toda a safra da soja é exportada no primeiro semestre. Existe um grande volume de carga e o valor do frete sobe. O segundo semestre é dependente do milho safrinha”, afirma.
Mas não só da produção nacional do grão. “Ao contrário da soja, que é majoritariamente exportada, no caso do milho, o A quebra das safras e o aumento da oferta de caminhões levaram o transporte rodoviário de grãos a uma nova crise neste ano. Segundo o Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-Log), da Universidade de São Paulo (USP), o valor do frete hoje está mais de 20% abaixo do verificado há um ano, sendo que a inflação acumulada no período chega perto de 8,5%.
Brasil é mais dependente do mercado internacional. Ou seja, a gente pode produzir um volume alto de milho na safrinha, mas não necessariamente teremos uma janela de exportação ativa”, explica.
Neste ano, segundo o economista, além da quebra da safra, o mercado internacional está desaquecido. “A maior parte do milho ficou no mercado interno o que acaba desaquecendo o mercado de frete. O que joga o frete para cima é exportação, porque a exportação exige imediato escoamento (devido aos contratos internacionais). Já  mercado interno tem fluxo mais gradual,  tem uma certa cadência que faz com que o frete fique em patamares mais baixos”, alega.
O clima definitivamente não ajudou na safra 2015/16. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), em todo o País, a safra de soja teve leve quebra (-0,8%), de 96,2 milhões de toneladas para 95,4 milhões de toneladas. Mas, especificamente em Mato Grosso, a quebra foi expressiva (-7%), de 28 milhões para 26 milhões de toneladas.
A primeira safra de milho em todo o País teve 12% de quebra, saindo de 6,1 milhões para 5,3 milhões de toneladas. Já segunda apresentou quebra de 25%, de 54,5 milhões para 40,8 milhões de toneladas no Brasil. Somente em Mato grosso, caiu de 20,3 milhões para 15 milhões de toneladas, também 25% menor.
Silva Neto também ressalta a expansão da frota de caminhões nos anos anteriores a 2015, em virtude dos incentivos do BNDES, o que gerou uma super oferta do serviço de transporte. Além disso, a crise na mineração vem fazendo com que transportadores daquele setor migrem para o transporte de grãos. “Os veículos utilizado nos grãos e no transporte de determinados minérios como cimento, areia e calcário são os mesmos. Principalmente em Minas Gerais, grande parte das transportadores estão migrando suas frotas para grãos”, conta.
O economista diz que o transporte graneleiro é dependente de muitas variáveis climáticas e comerciais. “O frete pode mudar R$ 10, R$ 15 de uma semana para outra, de acordo com as oscilações do mercado.” Para o ano que vem, as perspectivas, na visão dele, são boas. “Mas muita coisa pode acontecer”, ressalva.

BALANÇO
Uma das maiores tradings mundiais, a Bunge comunicou um lucro líquido de US$ 118 milhões no terceiro trimestre de 2016 no Brasil. Segundo a companhia, houve uma queda 50,6% sobre o resultado de US$ 239 milhões referente ao mesmo período de 2015.
FONTE: Cenário MT 
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário