Transporte rodoviário de cargas tem 2022 afetado pela alta do diesel e aguarda por melhorias em 2023

ANTT/Divulgação

Apesar do baixo impacto durante a pandemia e de bons números, diesel causa baixas, mas expectativa para próximo ano é otimista

Google News
Principal modal de movimentação de cargas no Brasil, o transporte rodoviário de cargas (TRC) é um dos setores que se manteve em alta nos últimos anos, mesmo com a pandemia. Segundo dados da 8ª edição do relatório Fretebras, apenas no primeiro semestre de 2022 o setor cresceu cerca de 38% no volume de carga transportada, em comparação com o mesmo período de 2021.

O mesmo estudo aponta ainda o registro da movimentação de R$ 49 bilhões pelo TRC, o que contribuiu para a elevação do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2,1%, em comparação ao mesmo período do ano anterior.


Para Marcel Zorzin, diretor operacional da Zorzin Logística – transportadora com mais de 50 anos de experiência e especializada no transporte de produtos químicos –, mesmo com os bons números, há pontos que exigirão atenção em 2023 para que seja possível manter a saúde financeira do setor, principalmente a questão do diesel. Com uma série de altas e oscilações durante todo o ano, o combustível chegou a atingir a média de R$ 7,10 por litro em junho, com a máxima chegando a R$ 8,95.

Apesar de o ano ter sido bom, o óleo diesel foi o calcanhar de Aquiles do transporte. Foi algo que bateu de imediato no segmento. Precisamos que, em 2023, o próximo governo trabalhe para padronizar o custo do combustível, porque senão você quebra o país, quebra os empresários. Se o diesel não tivesse tido essa variação por causa da guerra e da política de preços da Petrobras, teríamos evitado muitos problemas para o setor. Muitas empresas não conseguiram mais operar, por conta dos custos, e acabaram quebrando. Não fosse por isso, 2022 teria sido um ano ótimo para o segmento”, afirmou o executivo.

Mesmo com estas questões, o segmento aguarda crescimento em 2023 e mantém as expectativas pelo que as mudanças políticas trarão.


Este ano tivemos um crescimento considerável, e a expectativa é que consigamos manter este embalo. Se não tivermos problemas sérios na economia, tudo indica que teremos um ano muito bom para nós. Além disso, esperamos que haja um bom entendimento entre os novos governos para que o transporte rodoviário de cargas se mantenha forte”, analisa Zorzin.

Completando, Marcel também acredita que os últimos anos, principalmente por conta da pandemia, deram um novo patamar ao transporte rodoviário de cargas.

Entendo que nosso setor também precisou encarar dificuldades e desafios durante a pandemia, sobretudo os motoristas que precisaram se expor e continuar trabalhando para não deixar faltar nada no país. Em um momento em que não se sabia bem o que era essencial ou não, o transporte de cargas se mostrou uma atividade essencial. Nós não paramos, e muita empresa colocou caminhão para fazer entrega de vacinas de graça. Então, o TRC mostrou o que ele é e o valor que ele possui. Ainda precisamos de mais valorização, e espero que continuem dando a atenção devida que o setor merece”, finalizou.

FONTE: Divulgação

Postar um comentário

0 Comentários