Inovações e soluções ampliam participação da Cummins no mercado de ônibus

Cummins/Divulgação

Companhia cresce 15 pontos percentuais no primeiro semestre de 2021 e detém 32,4% de marketshare

O desenvolvimento de motores sob medida, o suporte avançado de engenharia para integração em todos os processos de produção, incluindo a contribuição e o know how com o ciclo da operação impulsionaram a Cummins no mercado de ônibus em que registra crescimento de quase 15 pontos percentuais no primeiro semestre deste ano em comparação com o mesmo período de 2020. Atualmente a companhia detém 32,4% de marketshare contra 17,9% entre janeiro e junho do ano passado.

Atualmente a Cummins atende ao segmento com sete opções de motores eletrônicos Euro V (ISF 2.8, ISF 3.8, ISB 4.5, ISB 5.9, ISB 6.7, ISL 8.3 e ISL, de 9 litros), de classes Premium, com a vantagem da solução integrada de motores, componentes (turbos, filtros) e sistemas de pós-tratamento, priorizando ampliar o intervalo de manutenção, além de redução do consumo de combustível e níveis de emissões.
 
De acordo com Fernando Santos, supervisor de Engenharia de Aplicações da Cummins Brasil, a perfeita adequação de nossos produtos para este segmento requer um desenvolvimento sob medida e dedicado para a aplicação, considerando principalmente o ciclo de operação destes veículos no caso do transporte urbano, de embarque e de desembarque. “Neste caso, a resposta do motor precisa ser mais rápida na saída, oferecendo melhor dirigibilidade para o motorista e, consequentemente, mais conforto aos passageiros, isentando ainda o equipamento com aquela sensação de trepidação”, afirma Santos.

 
Para isso, a companhia oferece a solução de turbocompressor da Cummins Turbo Technologies, o Holset Dual Stage (tecnologia de duplo estagio), desenvolvida 100% pelo time de engenharia brasileiro para aplicações de ônibus urbanos, capaz ainda de suportar altas altitudes acima de 2 mil metros.
 
Além disso, a tecnologia de dois estágios disponível atualmente na versão ISF 3.8, podendo ainda ser empregada nas outras motorizações da Cummins para o segmento, integra o processo de calibração do motor, mais especificamente na estratégia de injeção de combustível na camara de combustão, reduzindo o desgaste de peças e, consequentemente, contribuindo com a manutenção do veículo.
 
“As aplicações de ônibus urbano são mais severas que o caminhão, por exemplo. E por isso buscamos melhor resposta do motor no que se refere a torques elevados em rotações mais baixas, ou seja, em carga plena ele atinge as rotações mais altas com mais agilidade, eliminando a variação que tende a provocar maior desgaste de peças rotativas, além de reduzir o aumento da fadiga nos componentes internos do motor, com mais controle da oscilação de pressão”, explica Santos, que reforça o uso de materiais mais nobres nos turbocompressores para estas aplicações.
 

O suporte técnico no processo de integração do motor e equipamento também é outro grande diferencial da Cummins neste segmento, que atua com as engenharias integradas para oferecer soluções personalizadas, incluindo testes em campo e o trabalho em conjunto para o alinhamento perfeito do motor x máquina. A Cummins traz a vantagem da experiência global nestas aplicações, com os Centros de Desenvolvimento no Brasil e no mundo capazes de realizar simulações para o sistema de arrefecimento e de suportação do motor dedicados ao projeto do cliente.
 
“Nosso diferencial como fornecedor é trazer a nossa capacidade, a nossa força interna, com predição virtual inclusive de qual será o desempenho do veículo e, dentro deste processo de certificação, dividir o nosso conhecimento de todos os sistemas que interagem com o motor, por meio de ferramentas que auxiliam a correta especificação, e, posteriormente com a execução dos testes para validações”, diz Santos.
 
Por meio da eletrônica embarcada e dos sensores no veiculo, a Cummins programa relatórios, atestando e comprovando que o veículo está de acordo com o mercado brasileiro e global, contribuindo com as exportações, além de todo o suporte em emissões”, diz Thelma Hayashi, especialista em Vendas da Cummins Brasil.

FONTE: Divulgação

Postar um comentário

0 Comentários