Confederação Nacional do Transporte se posiciona contra a suspensão da cobrança de pedágios

Arteris/Divulgação
Atenta ao crescente número de reivindicações pela suspensão da cobrança de pedágios nas rodovias durante a pandemia de COVID-19 (Coronavírus), a Confederação Nacional do Transporte (CNT) se posicionou de maneira acerca da questão. O posicionamento é confirmado por um artigo escrito pelo presidente da entidade, Vander Costa.

"A CNT representa todas as empresas de transporte do Brasil, independentemente do modal, sejam elas de carga, sejam de passageiros. Por isso, a nossa posição é clara e dispensaria qualquer manifestação se não fossem as crescentes menções ao tema. Portanto, defendemos o cumprimento da lei e dos contratos firmados.", destaca trecho do artigo.

Na publicação, a entidade ressalta que a isenção da cobrança de pedágio, mesmo que temporária, não beneficia as empresas representadas por ela, uma vez que todas elas cumprem com o que determina a legislação e repassam os custos da cobrança aos contratantes dos serviços de transporte. "A isenção do pagamento, mesmo que temporária, em nada nos beneficia. Isso porque o valor deve ser deduzido do total cobrado, isto é, sem beneficiar nossas representadas.".


A CNT ainda lembra que atual regra da cobrança de pedágio no Brasil é fruto de licitações para a construção e manutenção de rodovias. Com isso, a suspensão da cobrança em decorrência da situação de calamidade pública que é a gerada pela pandemia, acarretaria a quebra de contratos com as concessionárias.

A entidade também destaca os benefícios da cobrança de pedágio para o segmento de transporte. "Sempre nos posicionamos em defesa do pedágio justo, por acreditarmos que essa é uma forma justa e eficiente para viabilizar a melhora da infraestrutura do transporte rodoviário."

Por fim a CNT destaca o comprometimento com o combate ao coronavírus e com a mitigação dos efeitos da pandemia no transporte brasileiro, ao citar as ações de apoio que o SEST SENAT vem promovendo em mais de 130 pontos de rodovias e com foco especial aos caminhoneiros.

Confira na íntegra o artigo da CNT: CLIQUE AQUI

TEXTO: Lucas Duarte
Caminhões e Carretas

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Eu conto ou vocês contam?
    ... EGR [(EMPRESA GAUCHA DE RODOVIAS) EMPRESA PÚBLICA] está reajustado as tarifas de pedágios para caminhões em 52% em praças de sua concessão. O reajuste foi adiado em função da Pandemia, porém foi adiado.
    http://www.fetransul.com.br/entidades-gauchas-do-transporte-rodoviario-de-cargas-pedem-reajuste-de-pedagio-menor-para-a-egr/

    ResponderExcluir

Nunca publique suas informações pessoais, como por exemplo, números de telefone, endereço, currículo etc. Propagandas, desrespeito ou ofensas não serão toleradas nos comentários.