Roubo de cargas em rodovias federais cai 35% em 2019

Números divulgados recentemente pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) apontam para uma queda de 35% no índice de roubo de cargas nas rodovias federais de todo o país em 2019. De acordo com o levantamento da corporação, foram registradas 1.390 ocorrências no último ano, ante 2.120 em 2018.

Ainda segundo o balanço da PRF, dos 27 estados brasileiros, cinco lideram o ranking de ocorrências. São eles, Minas Gerais (459 ocorrências), seguido do Rio (160), do Paraná (135), de São Paulo (80) e de Goiás (80).

Entretanto, quando se soma as ocorrências de roubo cargas registradas em rodovias estaduais e municipais, o número total de casos chega a 12.732 ocorrências até setembro, data do último balanço do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp), plataforma do Ministério da Justiça e Segurança Pública que recebe dados das secretarias estaduais.

Apesar do aumento significativo quando se considera toda a malha rodoviária do país, a expectativa da PRF é de que,  quando a plataforma for alimentada com todos os dados, até dezembro, o índice de roubo de cargas em 2019 fique em torno de 17 mil, inferior às mais de 20 mil ocorrências registradas em 2018.

Para a polícia, a diminuição no número de roubos de carga se deve principalmente ao aumento da repressão e da deflagração de operações nos Estados mais críticos. “De 2017 para cá, a Polícia Rodoviária Federal aumentou as suas ações, coordenadas nacionalmente e nas próprias superintendências estaduais. A gente mapeou todos os pontos, onde mais ocorria esse tipo de crime, e fez operações específicas nesses locais”, afirma Paulo Sérgio Guedes de Oliveira, chefe do Grupo de Enfrentamento aos Crimes contra o Patrimônio da PRF.


Já para presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Vander Costa, além do aumento das ações policiais, o alto investimento em tecnologias para evitar o roubo de cargas, feito pelas empresas, também contribuiu para a redução do número de ocorrências em 2019.

Para ele, porém, é preciso avançar ainda em um ponto crucial: aumentar a punição, especialmente financeira, do receptador de mercadorias roubadas. Uma das propostas da confederação é que os envolvidos tenham o CNPJ cassado.

“A polícia está agindo com mais efetividade, recuperando algumas cargas e prendendo os responsáveis. Mas, para combater o roubo de carga, você tem que fazer que isso não seja um negócio financeiramente atrativo”, defende.

O presidente da CNT também afirma que a tendência de queda no número de roubos de carga é uma realidade que deve se manter neste ano. Ele, no entanto, reconhece que a melhora nos índices ainda não trouxe um impacto efetivo no custo dos seguros cobrados para o setor. “O mercado de seguro para aumentar o prêmio é rápido, mas para reduzi-lo é mais lento, mas vai acabar acontecendo”, disse.

TEXTO: Lucas Duarte
Com informações: Valor Econômico
Caminhões e Carretas

Postar um comentário

0 Comentários