Caminhoneiros prometem bloquear o sistema Anchieta-Imigrantes em protesto contra os valores de pedágio

O constante descumprimento do pagamento do vale-pedágio, instituído pela Lei nº 10.209, de 23 de março de 2001, atrelado aos crescentes custos de manutenção e combustíveis, tem gerado uma grande insatisfação no transporte rodoviário de cargas brasileiro, especialmente entre os caminhoneiros autônomos e pequenos transportadores. 

LEIA: Conheça 5 direitos dos caminhoneiros garantidos por lei mas que nem sempre são cumpridos

Prova disso, é o vídeo que começou a circular nas redes sociais nesta semana e que já conta com mais de 44 mil compartilhamentos e 2 mil comentários em menos de 24 horas. Gravado as margens da rodovia SP-310 (Rodovia Washington Luiz), caminhoneiros autônomos e motoristas de veículos de 9 eixos, questionam os altos valores de pedágio cobrados no estado de São Paulo, especialmente no sistema Anchieta-Imigrantes, uma das principais rotas de escoamento da produção nacional e principal ligação com o Porto de Santos.

Atualmente, os veículos de 9 eixos que percorrem todo o trecho do sistema Anchieta-Imigrantes, entre a capital paulista e o Porto de Santos, pagam uma tarifa R$ 246,60.


Diante dos altos valores, os caminhoneiros que participam da gravação cobram respostas do Governo do Estado de São Paulo e das concessionárias que administram as rodovias do estado paulista. Além da cobrança, os próprios motoristas prometem realizar uma paralisação no Sistema Anchieta-Imigrantes no período de alta temporada, previsto para os meses de novembro e dezembro. "...Nós vamos fazer uma paralisação na Anchieta-Imigrantes. Governador (...) se o senhor não der uma resposta, nós vamos parar a Anchieta-Imigrantes agora na temporada", destaca o autor do publicação.

Durante a gravação, os caminhoneiros autônomos ressaltam ainda os altos valores de IPVA pagos anualmente, o constante descumprimento da Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas (PNPM-TRC), conhecida popularmente como tabela de fretes, instituída pela Lei nº 13.703/2018 e os altos custos para aquisição de pneus.

Apesar da grande repercussão da publicação até o momento nenhuma data para o protesto foi definida ou confirmada.

Confira na íntegra o vídeo:
TEXTO: Lucas Duarte
Caminhões e Carretas

Postar um comentário

6 Comentários

  1. Só o pedágio o diesel tá muito caro

    ResponderExcluir
  2. mais um que esta querendo fama ,se não cumprem a tabela ou não pagam frete que compense pq carregam?ai aceitam carregar pra depois reclamar?não tem coragem de falar não pras empresas mais na hora de fazer vídeo eh machão?e ai vai parar por 20 ou 30 dias e depois volta a trabalhar pelo mesmo frete,legal em..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e outra coisa fazer greve obrigando todos a pararem inclusive quem não eh do transporte não significa que são forte,pelo contrario, forte eh quando todos inclusive as empresas pararem por livre vontade sem fechar nada..ai sim valeu a pena ,se não fica igual da ultima vez que não conseguimos nada,perdemos 10 dias de trabalho e o povo fez fila e pagou 5 reais na gasolina ,e se tive 10 reais iriam fazer fila do mesmo jeito..

      Excluir
  3. sem contar que empresas medias e grandes estão gastando o tempo ,procurando soluções,tecnologias,e reduzindo seus custos ,enquanto esses ai ficam em grupinho querendo greve,essa eh a diferença,cada um pensando no seu,só avisem o dia que vão fazer isso porque não quero participar e vou carregar pra outros lados tem como?

    ResponderExcluir
  4. Greve não e para agradar ninguém não, então vcs que estão criticando continue pagando IPVA caro e tarifas abusivas de pedágio e pare de encher o saco, quando alguém aparece para reclamar de algo errado,tem sempre uns idiotas contra, continue sendo omissos e não encha o saco

    ResponderExcluir
  5. Você tem razão,os omissos tem que se fuder mesmo,espertos são os q vão ficar 30 dias parados e depois vão pagar oleo,pneu,pedágios mais caros do que antes da greve, e frete menor!parabéns ������,só não obriguem ninguém a parar contra vontade

    ResponderExcluir

Nunca publique suas informações pessoais, como por exemplo, números de telefone, endereço, currículo etc. Propagandas, desrespeito ou ofensas não serão toleradas nos comentários.