Diagrama de Distribuição de Carga: O que é isso?

Rubem Penteado de Melo
Não temos ainda no Brasil o conceito ou a cultura do “Diagrama de Distribuição de Carga” para um caminhão ou carreta. Muitos ainda acham que, se uma carreta é para 25 toneladas, não importa a posição do Centro de Gravidade (C.G.) da carga. E na verdade essa posição é que poderá ou não gerar multas no “entre-eixo”.

Por isso que mais de 90% das multas por excesso de peso no Brasil ocorrem nos eixos e não no Peso Bruto dos caminhões.

As fábricas de carrocerias e carretas deveriam fornecer esse diagrama: qual o peso máximo que posso transportar para cada posição do C.G. da carga: dentro da área hachurada não haverá excesso nos eixos. Acima dessa área: haverá problemas. A linha azul é o limite. Para cada posição de C.G. temos um valor máximo de peso que pode ser transportado.
Rubem Penteado de Melo
Note no gráfico do exemplo que só posso utilizar a lotação máxima do veículo se o C.G. estiver em uma região central da carroceria. Se o C.G. da carga não está no centro, devo reduzir o peso transportado.

Cada curva do gráfico mostra o fator que limita o peso transportado. Se ultrapassar alguma linha, algum problema ocorrerá.

Esse diagrama é conhecido como “Load Distribution Diagram”, “Load Diagram” ou o “palavrão” em alemão: “Lastverteilungsplan”.

Na carga indivisível, o diagrama também é fundamental: um exemplo de catálogo está na figura a seguir, para uma linha de eixos: lotação máxima, apenas com o C.G. no centro.
Rubem Penteado de Melo
Além disso, outra informação fundamental que falta ao TRC no Brasil: qual o peso linear máximo que posso colocar sobre um veículo? Uma carreta LS pode transportar, por exemplo, 32 toneladas. Mas, 32 tons em quantos metros? E se a carga tiver apenas 1,5 metros de comprimento? O chassi suportará ou vai quebrar?.

Qual peso concentrado máximo que cada carreta é capaz de transportar? 3 ton/m, 5 ton/m, 8 ton/m? Qual o máximo para carretas convencionais?

O fabricante deveria disponibilizar essa informação. Carga de grande densidade como da imagem ao lado, com talvez 15 ton/m, deveria ser considerada uma carga especial e transportada em prancha?.
Pena que ainda não chegamos nesse nível de conhecimento no Brasil!

ARTIGO: Eng. Rubem Penteado de Melo - www.trs.eng.br

Postar um comentário

5 Comentários

  1. Muito equivocada e mal feita a reportagem. O diagrama de cargas é utilizado pelos projetistas, para determinar os tamanho, medidas e localização dos eixos sob a carreta ou caminhão rígido. Para que a distribuição de carga não traga sobrepeso nos eixos. Por isso as modificações do comprimento, do arqueamento e da posição dos eixos no "Seu Zé Moleiro do Posto da Beira da BR." são um crime contra o Veículo, Pavimento e principalmente SEGURANÇA.
    A distribuição de carga segue distribuída na no veículo, salve casos de carga indivisível que devem respeitar as posições sobre os eixos e não excedendo o limite de peso.

    ResponderExcluir
  2. Esse é outro diagrama. Da uma olhada no link a seguir e veja o que a Europa recomenda para Diagrama de Distribuição de Carga. Conhecimento sempre ajuda:
    https://antram.pt/attachments/upload/Informa%C3%A7%C3%B5es%20Rodovi%C3%A1rias/MI0614080PTN.pt.pdf

    ResponderExcluir
  3. Conhecimento nunca é demais, mas não estamos na Europa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ??? Não entendi. Os limites de pesos são diferentes, mas os princípios para distribuição de peso são os mesmos, aqui e na Europa. Se o C.G. da carga não estiver na posição correta sobre o veículo, haverá problemas. A física é a mesma: lá e cá.

      Excluir
  4. Não tem diagrama para os condutores, mas para os balanceiros tem com certeza, até por que eles precisam disso para nós multar né!! Kkk

    ResponderExcluir

Nunca publique suas informações pessoais, como por exemplo, números de telefone, endereço, currículo etc. Propagandas, desrespeito ou ofensas não serão toleradas nos comentários.