Obtenção de AET continua sendo um desafio para quem transporta carga excedente no RS

Mais de 15 anos, depois que o DNIT introduziu no Brasil o SIAET - Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito, e que estados como Minas Gerais, Santa Catarina, Goiás, Bahia, São Paulo, Paraná e Pernambuco seguiram o exemplo, estados importantes para o segmento de transportes, como o Rio Grande do Sul, continuam estagnados tecnologicamente e não avançam um milímetro a não ser para penalizar as empresas com mais burocracia, mais exigências, taxas e tarifas mais salgadas e prazos mais longos para a concessão de AET's. 

Os quadros, abaixo, comparando alguns indicadores entre o DAER-RS e DER's de outros estados e também com o DNIT comprovam as informações acima:
1. TARIFA PARA CONCESSÃO DA AET
2. PRAZO PARA CONCESSÃO DA AET - SEM CONSULTA
3. DOCUMENTOS EXIGIDOS
*Nos demais estados e DNIT a exigência de laudo técnico de vistoria só é feita para cargas com PBT acima de 100t. Essa exigência gera custos e nenhum benefício. Muitas vezes esse documento nem é feito por engenheiro, mas só assinado alimentando a indústria da AET.
4. TARIFA PELO USO DA VIA PARA UMA DISTÂNCIA DE 400 Km e PBTC DE 100 toneladas
5. TARIFA DE ESCOLTA POLICIAL
"Não é novidade para ninguém os enormes desafios enfrentados pelo Rio Grande do Sul, mas o governo não pode tentar resolver seus problemas financeiros transferindo a conta para o setor produtivo, em especial o setor de transportes, pondera o presidente da Logispesa - Associação Brasileira de Logística Pesada, João Batista Dominici. 
Dominici acrescenta que há muitas empresas interessadas em trabalhar em conjunto com o DAER para equacionar esses problemas o mais rápido possível, mas é preciso que o órgão esteja mais aberto para ouvir o setor.
FONTE: Guia do TRC 
FOTO: Caminhões do Brasil 

Postar um comentário

0 Comentários