Forças policiais poderão assumir a direção dos caminhões em caso de resistência

Com o objetivo de colocar fim a paralisação nacional de caminhoneiros e restabelecer o abastecimento do país que já registra uma grande escassez de combustíveis, alimentos e insumos médicos, o Governo Federal, através do Presidente Michel Temer e seus Ministros anunciaram na tarde desta sexta-feira (25) um Decreto Federal que permite o emprego da força policial em todos os pontos de bloqueio do país. 
De acordo com a assessoria do Planalto, o documento que será assinado e publicado ainda hoje autoriza o emprego das Forças Armadas, Polícia Rodoviária Federal, Força Nacional de Segurança e Polícia Militar de cada estado na desobstrução de todos os pontos de paralisação, protestos e ou bloqueios, mesmo que parciais. 
O Governo Federal afirma que a prioridade é desbloquear as rodovias para garantir abastecimento de combustível em seis aeroportos e duas termelétricas. Entre os aeroportos, estão Brasília, Recife, Congonhas, Confins e Porto Alegre.
Além das prioridades, o Decreto Federal que será publicado em uma edição extra no “Diário Oficial da União” determina ainda a liberação de todas as rodovias federais, inclusive dos acostamentos.
Segundo informações do governo, caso algum caminhoneiro não queria retirar o caminhão da rodovia, os militares que estivem atuando na operação poderão assumir o controle dos caminhões e dirigir os veículos. O governo destaca ainda que os caminhoneiros que resistirem à desocupação poderão ser presos e multados.
Em coletiva de imprensa no fim da tarde desta sexta-feira (25) o governo federal explicou ainda que o risco eminente de desabastecimento total do país foi o gatilho para que o Decreto Federal fosse determinado. De acordo com o Ministro-Chefe da Casa Civi, Eliseu Padilha o Decreto Federal é baseado na lei de garantia e da ordem (GLO) e terá validade de dez dias, começando hoje (25) e se encerrando no dia 4 de junho.
Durante a coletiva, o Ministro Extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, voltou a destacar a investigação aberta pela Polícia Federal para apurar a possível prática de locaute (do inglês lock out, designa greve de trabalhadores com apoio da classe patronal) na paralisação de milhares de caminhoneiros. Segundo o ministro 20 transportadoras já estão sob investigação e se comprovada a prática serão severamente punidas. 

LEIA: Polícia Federal investiga se há prática criminosa em paralisação de caminhoneiros

Questionado sobre a possibilidade de resistência e recusa ao transporte de mercadorias mesmo após o desbloqueio das rodovias, o Ministro Raul Jungmann revelou que o governo poderá requisitar os caminhões e colocar membros das Forças Armadas, da Polícia Rodoviária Federal e das polícias estaduais para conduzirem os veículos, se achar que isso é necessário para levar medicamentos a hospitais, alimentos a escolas ou outras prioridades de abastecimento das cidades. A medida acontecerá através de um novo decreto. 
Sobre os custos da operação de desobstrução das rodovias, o Ministro Eliseu Padilha explicou que não existem despesas, já que a operação faz parte das tarefas das Forças Armadas.

Saiba tudo sobre a greve de caminhoneiros: CLIQUE AQUI

TEXTO: Lucas Duarte
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

4 comentários:

  1. publiquem noticias corretas e verdadeiras,nao ha estradas bloqueadas,piada as forças nacionais assumirem a direçao dos pesados,explique como?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia o texto! A explicação consta no penúltimo parágrafo do texto.

      Excluir
  2. No caso não houve vias bloqueadas o trânsito fluiu normalmente em todas rodovias federais , e também é direito de todo brasileiro de recusa e manifestar-se pacificamente. Agora esse governo corrupto que afundou a petrobrás e quer tirar o prejuízo nas nossas custas

    ResponderExcluir