Régis Bittencourt, a rodovia da morte, tem obra de duplicação finalizada

Na semana que vem, depois de muitos atrasos, vão ser abertos ao público os últimos trechos duplicados da Régis Bittencourt, que liga São Paulo a Curitiba. A reforma pretende acabar com um título triste, que já foi muito atribuído à estrada: o de rodovia da morte.
Fogo dentro do túnel. Os carros não podem passar e a fumaça se espalha. Um operador da estrada pede urgência. Todos devem deixar os carros e sair o quanto antes.
Enquanto isso, bombeiros chegam para apagar as chamas. Em minutos, a fumaça desaparece.
No caso de um incêndio, por exemplo, tem fogo, gases, e aí as pessoas passam por lá. São portas corta-fogo e depois que atravessam pelas portas, a gente entra no túnel principal. São 213 metros que separam os pedestres de veículos em chamas.
Este foi o teste final, antes da liberação do último trecho da Serra do Cafezal, na Rodovia Régis Bittencourt.
Na quarta-feira (20), os dois últimos trechos em obras, de dez quilômetros vão estar abertos.
“O traçado foi rigorosamente feito, o trajeto em cima do maior respeito ao meio ambiente, a preservação. E foi uma obra construída com a rodovia viva. Com a rodovia em circulação”, disse Francisco Pires.
Dos 39 viadutos e pontes, um tem mais de 50 metros de altura. Por isso vai contar com um equipamento para ajudar em caso de acidente. Um cesto que leva os socorristas e equipamentos e iça as vítimas.
A Régis Bittencourt é o principal corredor do Mercosul, liga Curitiba a São Paulo. Boa parte do que é produzido na Argentina, Uruguai e Paraguai e no Sul do Brasil passa pela estrada para chegar ao resto do país.
A duplicação dos 30 quilômetros da serra levou cinco anos e custou R$ 1,3 bilhão.
Em 2011, o Jornal Nacional mostrou que as obras de duplicação da Serra do Cafezal não saiam por falta da licença ambiental. A Régis Bittencourt era chamada de Rodovia da Morte. Tinha acidente quase todos os dias. No fim de 2012, o Jornal Nacional voltou lá. A licença para duplicar a serra tinha saído e as obras só começaram em 2013.
Naquele ano, 175 pessoas morreram na Régis Bittencourt. Em 2017, até agora, foram 76.
Isso é rotina entre os caminhoneiros. A maioria só desce a serra se souber como está o caminho.
José Carlos dos Santos (caminhoneiro): Eu já cheguei a ficar ali três horas para descer.
Repórter: Costuma descer em quanto empo?
José Carlos: No máximo, 40 minutos, nem isso.
Com a estrada nova, a preocupação deixa de ser os congestionamentos. Os caminhoneiros dizem que a segurança vai depender dos próprios motoristas.
“Espero que mude a vida de todos. Todos têm que ter a consciência de saber usar a serra, né? Porque a maioria dos acidentes é falta de um pouquinho de consciência”, explicou o caminhoneiro Edson Paltiner Coutinho.
FONTE: Jornal Nacional 
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários: