Estrela das Estradas


Casas Scania

IVECO A gente nao para

Ford destaca desempenho positivo no 1º semestre

Apesar da retração das vendas de caminhões, a Ford encerrou o primeiro semestre de 2015 comemorando números de emplacamentos alcançados por modelos da marca no período, os quais lhe garantiram 19% participação no mercado.
Pelos números citados pela montadora, enquanto a indústria acumulou queda de
41,7% nas vendas no período, na marca a redução de foi de 15,2%. A empresa também destaca o avanço obtido no segmento de caminhões 6X4.
O maior destaque da marca está no segmento de caminhões leves (de 6 a 10 toneladas de PBT) no qual os modelos Cargo 816, Cargo 1119 e F-4000 responderam juntos por 31,5% das vendas no semestre, mostrando um ganho de 6 pontos percentuais de participação. O Cargo 816 teve 1.650 unidades emplacadas, enquanto o Cargo 1119 atingiu 1.025 unidades (crescimento de 15,1% em relação ao primeiro semestre de 2014) e o F-4000 (que tem também uma versão 4X4) chegou a 952 unidades emplacadas nos primeiros seis meses de 2015.
A empresa marcou presença também no segmento de semileves com o com o F-350, que respondeu por 44,6% dos emplacamentos no semestre. A marca comemora também o desempenho dos modelos pesados Cargo 2623 e Cargo 2629 – ambos 6X4 – que conquistaram seis pontos percentuais de participação e ficaram com 19,6% das vendas do segmento.
O supervisor de Marketing da Ford Caminhões, Flávio Costa, destaca que ter uma linha diversificada e completa de veículos, focada na produtividade e economia, mostrou ser uma vantagem competitiva nesse período de grandes desafios, em que mais do que nunca os clientes buscam o melhor custo-benefício na operação das frotas.
“A Ford foi a marca que mais cresceu dentro da indústria, aumentando a sua fatia com um ganho de 5,9 pontos percentuais, além de liderar os segmentos de caminhões semileves e leves, também cresceu nos veículos pesados 6×4”, acrescentou Costa, concluindo que o desempenho ajudou a empresa a compensar em parte a forte retração do mercado.
FONTE: O Carreteiro 

Postar um comentário

0 Comentários